Mercado abrirá em 35 mins

Apoiadora pede mensagem de conforto sobre mortos na pandemia e Bolsonaro diz: "é o destino"

Foto: Andressa Anholete/Getty Images

No dia em que o Brasil deve superar a marca dos 30 mil mortos pela pandemia do novo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que lamenta o número de óbitos no país, mas que “é o destino” das pessoas.

A declaração inusitada ocorreu nesta terça-feira (02) quando uma apoiadora pediu ao presidente que enviasse uma mensagem de conforto para as “inúmeras famílias enlutadas" em razão da pandemia de Covid-19 no Brasil.

Leia também

“A gente lamenta todos os mortos, mas é o destino de todo mundo”, disse Bolsonaro, na saída do Palácio da Alvorada, segundo o jornal Correio Braziliense.

De acordo com o boletim mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde nesta segunda-feira (01), o Brasil registra 29.937 mortos, além de 526.447 casos confirmados.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Mesmo com a ascensão da pandemia no país, o presidente voltou a defender a cloroquina para combater o novo coronavírus. A substância não tem eficácia cientificamente comprovada.

“Pessoal que reclama contra a cloroquina não tem alternativa. Eu sou contra isso, mas aponte… Nós sabemos que pode não ser realmente isso tudo que alguns pensam. Mas é o que aparece no momento. Tem relatos de pessoas, tem muitos médicos favoráveis e tem uma briga farmacêutica muito grande também”, avaliou Bolsonaro.

A ampliação do uso da cloroquina no tratamento da Covid-19 foi o estopim do conflito entre Bolsonaro e o ex-ministro da Saúde Nelson Teich, que se demitiu no dia 15 de maio. Desde então, o general Eduardo Pazuello ocupa interinamente a pasta.

“E daí?”

Algumas falas do presidente ao comentar as vítimas da pandemia já causaram muita repercussão negativa por todo o país.

Ao final de março, primeiro mês da pandemia no país, Bolsonaro afirmou: “Alguns vão morrer, lamento, essa é a vida”.

Um mês depois, no final de abril, o presidente revoltou parte do país ao ser questionado sobre o fato do Brasil ultrapassar a China no número de mortes pela Covid-19.

“E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse, em referência ao próprio sobrenome.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.