Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.913,56
    +373,73 (+0,37%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.800,13
    +598,32 (+1,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,13
    -1,57 (-3,76%)
     
  • OURO

    1.926,60
    +11,20 (+0,58%)
     
  • BTC-USD

    12.750,29
    +1.693,28 (+15,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    255,46
    +10,57 (+4,31%)
     
  • S&P500

    3.451,26
    +8,14 (+0,24%)
     
  • DOW JONES

    28.316,09
    +7,30 (+0,03%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.639,46
    +72,42 (+0,31%)
     
  • NASDAQ

    11.724,75
    +64,00 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6553
    +0,0289 (+0,44%)
     

Médicos retiram sonda e Bolsonaro tem "ótima evolução clínica" após cirurgia

·2 minutos de leitura
Foto: AP Photo/Eraldo Peres
Foto: AP Photo/Eraldo Peres

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem "ótima evolução clínica" após submeter-se na sexta-feira a uma cirurgia para retirada de um cálculo na bexiga em São Paulo, disse neste sábado boletim médico do Hospital Albert Einstein, onde o presidente foi operado e segue internado na zona sul da capital paulista.

A expectativa é que Bolsonaro tenha alta ao longo do fim de semana, disse à Reuters na sexta-feira o cardiologista Leandro Echenique, da equipe responsável pelo presidente.

Leia também:

"Foi retirada a sonda vesical para que ele urine espontaneamente. O paciente está recebendo hidratação oral e caminhando fora do quarto", afirma o boletim, que diz ainda que Bolsonaro não apresenta sangramento nem febre.

A cirurgia de Bolsonaro, de 65 anos, foi feita na manhã de sexta-feira, durou 1h30 e transcorreu sem intercorrências, disse o hospital na véspera.

Echenique disse, ainda na sexta, que o cálculo retirado da bexiga do presidente Bolsonaro tinha 4,5 centímetros, maior do que mostravam os exames pré-operatórios.

Após ser esfaqueado durante a campanha presidencial de 2018, Bolsonaro passou por quatro cirurgias relacionadas ao ataque. A primeira, de emergência, em Juiz de Fora (MG), onde ocorreu o atentado contra ele. Depois foram intervenções realizadas em São Paulo, para desobstrução intestinal, retirada de uma bolsa de colostomia e correção de uma hérnia.

***Por Eduardo Simões, da Reuters