Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.599,88
    +2.888,27 (+6,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Mesmo criticado, Bolsonaro reafirma que latas de leite condensado são para "enfiar no rabo de jornalista"

·2 minuto de leitura
Foto: AP Photo/Silvia Izquierdo
Foto: AP Photo/Silvia Izquierdo

Mesmo depois da repercussão negativa, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a afirmar que as latas de leite condensado comprados pelo Executivo por R$ 15 milhões são “para enfiar no rabo de jornalista".

O presidente novamente fez referência às críticas ao governo federal por ter gasto R$1,8 bilhão em alimentos e bebidas durante o ano de 2020.

Leia também

"É para enfiar no rabao de jornalista", disse Bolsonaro em novo vídeo, desta vez em visita ao Sergipe nesta quinta-feira (29). As imagens foram compartilhadas pelo senador Rogério Carvalho (PT).

Na quarta (27), em evento privado, Bolsonaro já havia disparado contra a imprensa por repercutir os gastos do Executivo de forma crítica.

"Vai para puta que o pariu. Imprensa de merda essa daí. É para enfiar no rabo de vocês aí, vocês não, vocês da imprensa essa lata de leite condensado", disse o presidente. O vídeo foi compartilhado por parlamentares.

O deputado David Miranda (PSOL-RJ), na terça-feira (26), acionou a Procuradoria Geral da República solicitando que os gastos da lista de compras sejam investigados. O Ministério Público também disse apoiar uma apuração dos valores.

O gasto foi divulgado pelo portal Metrópoles, quer revelou que o valor equivale a um aumento de 20% em relação a 2019. Entre tantas compras inusitadas estão R$ 2,5 milhões em vinhos para o Ministério da Defesa e, R$ 15 milhões em leite condensado e R$ 2,2 milhões em chicletes.