Mercado fechará em 2 mins

Após manutenção de veto a reajuste dos servidores, Bolsonaro exalta "sócios" no Congresso

·2 minutos de leitura
Foto: Buda Mendes/Getty Images
Foto: Buda Mendes/Getty Images

Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou nesta sexta-feira (21) que vai atingir os objetivos de seu governo com a ajuda dos "sócios" que têm no Congresso Nacional. Depois de um período turbulento, o presidente se aproximou do chamado “Centrão” para blindar sua gestão.

A fala de Bolsonaro se dá logo depois dos deputados votarem pela manutenção do veto dele a um trecho de projeto que abria margem para concessão de reajuste salarial a servidores públicos. Antes da decisão na Câmara, presidente havia dito que caso seu veto caísse seria impossível governar o país.

Leia também

"Podem ter certeza, com o time que nós temos, com os nossos sócios, no bom sentido, no Parlamento brasileiro, nós atingiremos os nossos objetivos", disse o presidente, durante solenidade de entrega de unidades habitacionais em Mossoró, no Rio Grande do Norte.

Com Maia protagonista, Câmara mantém veto

A Câmara dos Deputados decidiu nesta quinta-feira (20) manter o veto presidencial que proíbe a concessão de reajuste a servidores públicos, evitando um impacto superior a 120 bilhões de reais nas contas públicas, depois que o Senado havia votado na véspera pela derrubada da proibição, em uma derrota para o governo.

Encarada como um teste da base que Bolsonaro tenta construir no Congresso, a votação do veto ocorreu após forte mobilização que contou com a participação do governo, de lideranças e também do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

O polêmico veto de Bolsonaro a dispositivo que permitia o aumento de vencimentos de servidores das áreas militar, de segurança, saúde e educação, além de agentes socioeducativos, aos profissionais de limpeza urbana, e de serviços funerários e de assistência social foi mantido pelo placar de 316 a 165.

A manutenção do veto pelo Congresso fazia parte de acordo selado com governadores, que teriam se comprometido a suspender aumentos salariais como contrapartida a auxílio destinado pelo governo federal a Estados e municípios por conta da crise do novo coronavírus.

O pacote de auxílio federal envolveu o repasse de 60 bilhões e reais a Estados e municípios e a suspensão do pagamento de dívidas dos entes com a União e bancos públicos, o que levou o valor total do pacote a 125 bilhões de reais.

***Com informações da Reuters