Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.646,40
    -989,99 (-0,82%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.125,71
    -369,70 (-0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    53,28
    +0,30 (+0,57%)
     
  • OURO

    1.872,00
    +31,80 (+1,73%)
     
  • BTC-USD

    35.038,30
    +638,33 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    694,73
    -5,88 (-0,84%)
     
  • S&P500

    3.851,85
    +52,94 (+1,39%)
     
  • DOW JONES

    31.188,38
    +257,86 (+0,83%)
     
  • FTSE

    6.740,39
    +27,44 (+0,41%)
     
  • HANG SENG

    29.962,47
    +320,19 (+1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.523,26
    -110,20 (-0,38%)
     
  • NASDAQ

    13.290,50
    +305,00 (+2,35%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4075
    -0,0911 (-1,40%)
     

Jacaré diz que era ofuscado por Carla Perez: “Chorava no camarim”

Bárbara Saryne
·1 minuto de leitura
O dançarino relembrou o período de sucesso no É o Tchan (Foto: Reprodução/Instagram)
O dançarino relembrou o período de sucesso no É o Tchan (Foto: Reprodução/Instagram)

Jacaré, ex-dançarino do grupo É o Tchan, desabafou sobre o período que trabalhou com Carla Perez durante uma live com o também dançarino Yves Lorrhan. Segundo o artista, a loira era a única pessoa que recebia atenção das emissoras de televisão e isso deixava tanto ele quanto os outros integrantes muito chateados.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

“Dentro da TV, todo mundo ia só em cima da Carla Perez. Não aparecia a gente, pois só queriam mostrar a Carla”, diz ele, que enfatiza reconhecer que a moça não tinha culpa pelo que acontecia nos bastidores.

Segundo Jacaré, o sistema machista sempre quis deixar a mulher branca em evidência. “Eram quatro negros, eu, Beto, Compadre Washington e Débora [Brasil]. Chamavam sempre a loira, não a Débora. E todo o grupo ficava muito triste, não só eu. A gente batalhava tanto, ensaiava, criava, e os caras fazem isso, jogavam só para uma pessoa. Teve programas que não queria fazer. Chegava no camarim e chorava muito", revela.

Além de se sentir excluído nas gravações, Jacaré também sofreu muito preconceito por causa do seu gingado. Ele diz que a maioria das pessoas questionavam sua sexualidade. “Quando fiquei famoso, teve muito o fato de acharem que era gay por estar rebolando. Fere pelo fato de as pessoas acharem que só o homem gay pode rebolar e remexer”, contou.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube