Mercado abrirá em 3 h 15 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,79
    +0,48 (+0,58%)
     
  • OURO

    1.840,10
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    36.222,09
    +1.077,37 (+3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,46
    +10,86 (+1,34%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.312,89
    +15,74 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    24.243,61
    -412,85 (-1,67%)
     
  • NIKKEI

    27.131,34
    -457,03 (-1,66%)
     
  • NASDAQ

    14.232,00
    -269,00 (-1,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2156
    -0,0131 (-0,21%)
     

Itens do Natal tem alta de preço acima da inflação

·2 min de leitura
  • Chester teve um aumento de preços maior de 33%

  • Pesquisa foi conduzida pelo Nupes, da Universidade de Taubaté

  • Inflação acumulada nos últimos 12 meses se aproxima de 11%

Segundo uma pesquisa realizada pelo Núcleo de Pesquisa Econômico-Sociais (Nupes), da Universidade de Taubaté, os alimentos tradicionais do Natal ficaram 13,09% mais caros em relação ao ano anterior. Essa taxa de aumento é maior que a inflação acumulada do período, que marcou 10,75%.

Na pesquisa foram realizados levantamento de preços de perus, panetones, tender, chester, uvas passas e nozes. Em 2020, ao comprar esses alimentos o consumidor desembolsava em média R$ 186,95. Hoje, para realizar as mesmas compras será necessário gastar R$ 211,43.

A pesquisa foi realizada em 16 supermercados da região, nas cidades de Caçapava, Campos do Jordão, São José dos Campos e Taubaté.

Leia também:

Taubaté registrou a cesta de natal mais cara, custando R$ 216,78, seguido de Campos do Jordão (R$ 210,16), Caçapava (R$ 209,86), e São José dos Campos, onde os preços marcaram o menor preço, custando, ao todo, R$ 208,89.

O maior aumento se deu no quilo o chester, que aumentou de 33,28%, seguido pelo peru com 18,71%, uvas passas (13,17%), panetone (9,26%), tender (8,80%) e nozes (7,72%).

Os três primeiros itens tiveram um aumento significantemente maior que a inflação de 10,75% do período, como apontado pelo IPCA.

Ao G1, Edson Trajano, economista da Nupes afirmou.

"O que observamos foi uma alta generalizada nos preços das aves. Duas razões explicam essa alta. A primeira é o aumento dos custos de produção. Também destacamos o aumento das exportações de aves, o que reduz a oferta no mercado interno e, consequentemente, gera preços mais altos para o consumidor brasileiro."

O custo de produção das aves também aumentou devido à alta no preço do milho, que serve como base para a ração destes animais. Segundo dados do Instituto de Economia Agrícola, o preço do milho aumentou 38,64% nos últimos 12 meses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos