Mercado fechado
  • BOVESPA

    116.134,46
    +6.097,67 (+5,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.429,75
    +802,95 (+1,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,26
    +3,77 (+4,74%)
     
  • OURO

    1.707,80
    +35,80 (+2,14%)
     
  • BTC-USD

    19.559,32
    +302,26 (+1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,05
    +8,70 (+2,00%)
     
  • S&P500

    3.678,43
    +92,81 (+2,59%)
     
  • DOW JONES

    29.490,89
    +765,38 (+2,66%)
     
  • FTSE

    6.908,76
    +14,95 (+0,22%)
     
  • HANG SENG

    17.079,51
    -143,32 (-0,83%)
     
  • NIKKEI

    26.215,79
    +278,58 (+1,07%)
     
  • NASDAQ

    11.309,00
    +273,50 (+2,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0709
    -0,2370 (-4,47%)
     

Itaú, Spotify e mais: relembre o 'apagão' das plataformas e redes sociais

·4 min de leitura
Nos últimos meses, alguns sites, redes sociais e aplicativos de marcas e empresas relevantes saíram do ar e apresentaram falhas que deixaram os usuários sem acesso às suas contas. Foto: Getty Images
Nos últimos meses, alguns sites, redes sociais e aplicativos de marcas e empresas relevantes saíram do ar e apresentaram falhas que deixaram os usuários sem acesso às suas contas. Foto: Getty Images

'Pane no sistema, algo se desconfigurou': quem nunca sofreu porque um serviço online ficou indisponível? Nos últimos meses, alguns sites, redes sociais e aplicativos de marcas e empresas relevantes saíram do ar e apresentaram falhas que deixaram os usuários sem acesso às suas contas.

Quando isso ocorre, geralmente o assunto é largamente comentado na internet. Uma plataforma que ajuda a identificar esses erros é o Downdetector. Através de um monitoramento em tempo real, eles detectam interrupções que ocorrem no mundo digital. Usuários no mundo inteiro também podem informar se um serviço está com problemas e auxiliar o Downdetector a coletar dados sobre possíveis falhas.

Veja a seguir plataformas e aplicativos online que já ficaram do ar:

  1. Itaú

  2. NuBank

  3. Banco do Brasil

  4. Americanas, Submarino e Shoptime

  5. Spotify

  6. Facebook, Instagram e Whatsapp

Itaú

No início de março, correntistas do Itaú enfrentaram um problema no sistema do banco que fez com que o aplicativo e o site do internet banking ficassem fora do ar e o saldo dos clientes fosse exibido incorretamente, causando um mal estar geral e gerando muitas reclamações nas redes sociais.

Alguns usuários relataram que o saldo estava menor, outros que o saldo estava superior ao que constava antes da pane. O Itaú confirmou o problema via sua conta oficial no Twitter e descartou a possibilidade de um ataque hacker.

No mesmo dia em que saiu do ar (03/03), o sistema se estabilizou. Na ocasião, os Procons do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná notificaram o Itaú para prestar esclarecimentos sobre o ocorrido.

NuBank

No dia seguinte à falha no Itaú, usuários do NuBank registraram mais de 400 queixas no portal Downdetector sobre o aplicativo do banco digital ter ficado fora do ar. No twitter, a palavra NuBank ficou entre os Assuntos do Momento com mais de 13 mil posts. Internautas lotaram a rede social com reclamações sobre não conseguir acessar o aplicativo e fazer operações básicas, como conferir o saldo da conta, realizar transferências ou pagar boletos.

O sistema voltou ao normal no mesmo dia, na parte da tarde.

Banco do Brasil

A primeira semana de março foi marcada pela instabilidade nas principais instituições financeiras. O Banco do Brasil também enfrentou problemas no dia 04/03, mesma data em que o NuBank apresentou falhas.

Os clientes do Banco do Brasil reclamaram sobre falhas nas operações via Pix, no uso de cartões e na visualização do saldo no aplicativo. De acordo com o site Downdetector, as principais queixas relatadas foram em operações no internet banking (59%), login no aplicativo (24%) e transferências (17%).

Assim como nos casos anteriores, o sistema foi restabelecido no mesmo dia.

Americanas, Submarino e Shoptime

As gigantes do comércio eletrônico lojas Americanas, Submarino e Shoptime que pertencem ao mesmo grupo Americanas S.A (antiga B2W) ficaram fora do ar por 3 dias em fevereiro deste ano. Os sites e aplicativos das marcas foram afetados. Com o ocorrido, o grupo perdeu cerca de R$ 3,5 bilhões em valor de mercado na Bovespa.

Segundo a Americanas, a decisão de tirar os sites e os aplicativos do ar foi tomada após o que a empresa relatou ter sido um “incidente de segurança”.

Assim como no caso do banco Itaú, os Procons do Rio e de São Paulo notificaram a Americanas para explicar sobre as falhas ocorridas.

Spotify

Na última terça-feira, 8, foi a vez da plataforma de streaming de música apresentar falhas. O Spotify ficou inacessível em diversos países ao redor do mundo. Os usuários relataram que foram deslogados do aplicativo no celular e no desktop, não conseguindo acessar suas contas.

Facebook, Instagram e Whatsapp

Quando as redes sociais do Mark Zuckerberg caem, os memes estão garantidos no Twitter, plataforma concorrente. A última vez que o Facebook, Instagram e Whatsapp que pertencem a Big Tech Meta saíram do ar foi em outubro do ano passado. Na ocasião, as ações da empresa registraram queda de 5,83%

Tanto os aplicativos quanto as versões desktop das redes apresentam instabilidade, assim como a página institucional do Facebook. A plataforma interna de comunicação da empresa, Workplace, também saiu do ar, conforme publicação à época do jornal americano The New York Times.