Mercado fechará em 31 mins
  • BOVESPA

    109.734,56
    +2.355,64 (+2,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.804,65
    +537,45 (+1,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,97
    +1,91 (+4,44%)
     
  • OURO

    1.804,50
    -33,30 (-1,81%)
     
  • BTC-USD

    19.125,34
    +673,37 (+3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,33
    +9,58 (+2,59%)
     
  • S&P500

    3.629,84
    +52,25 (+1,46%)
     
  • DOW JONES

    30.029,33
    +438,06 (+1,48%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.050,75
    +145,50 (+1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3877
    -0,0526 (-0,82%)
     

Itaúsa não pretende vender participação relevante em eventual cisão de fatia do Itáu na XP

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A Itaúsa comunicou nesta quarta-feira que não pretende vender participação relevante na empresa resultante da cisão da participação do Itaú Unibanco na XP Inc.

A holding afirmou, porém, que dentro da estratégia de diversificação do portfólio em companhias do setor não financeiro, "não considera essa participação como estratégica no longo prazo, estando este ativo sujeito às avaliações no âmbito do processo de acompanhamento de seu portfólio".

Na véspera, o Itaú anunciou que está considerando cindir a maior parte de sua participação de 46% na plataforma de investimento XP e vender o restante.

O Itaú pode emitir ações equivalentes a 41,05% da XP, que tem valor de mercado de 23 bilhões de dólares, para formar uma nova entidade que poderia ser listada. O Itaú também pode vender fatia de 5% na XP para aumentar seus índices de capital.

O pedido não menciona o motivo do plano, que está sujeito à aprovação do conselho.

"A Itaúsa passaria a deter, direta e indiretamente, 37,39% do capital total da nova empresa e o equivalente a 15,35% do capital total da XP", afirmou a holding em fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

(Por Paula Arend Laier)