Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,94
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.836,60
    -1,00 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    55.828,26
    -2.485,43 (-4,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.469,69
    -91,61 (-5,87%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.332,75
    -24,00 (-0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3633
    +0,0231 (+0,36%)
     

Itaú vê risco de mais flexibilização no teto de gastos

·2 minuto de leitura
***ARQUIVO***FRANCA, SP: Fachada do banco Itaú, na cidade de Franca, interior paulista. (Foto: Edson Silva/Folhapress)
***ARQUIVO***FRANCA, SP: Fachada do banco Itaú, na cidade de Franca, interior paulista. (Foto: Edson Silva/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Itaú Unibanco piorou sua projeção de déficit primário para o Brasil neste ano, incorporando em suas contas mais despesas emergenciais fora do teto de gastos, e avaliou que, pela dinâmica atual da pandemia e de suas consequências, há risco "não desprezível" de mais uma flexibilização da regra.

"Tal cenário impactaria a já frágil sustentabilidade fiscal brasileira, aumentando o prêmio de risco doméstico, com efeitos negativos sobre juros, câmbio e atividade econômica em 2021 e, predominantemente, em 2022", disse a equipe econômica do Itaú, chefiada por Mário Mesquita, em revisão mensal de cenário.

O banco revisou a estimativa de déficit primário para 2,8% do PIB (de 2,5% antes), no equivalente a R$ 235 bilhões.

Os gastos não sujeitos ao teto devem somar R$ 100 bilhões (1,2% do PIB), contra R$ 62 bilhões (0,9% do PIB) previstos antes. O aumento virá de programas de proteção ao emprego formal, como o BEm, de crédito para empresas, como o Pronampe, além de gastos com o sistema de saúde.

Apesar do agravamento da crise sanitária, os economistas do Itaú avaliaram que os impactos econômicos da atual onda de Covid-19 têm sido menos pronunciados do que no pico do ano passado. Assim, mantiveram expectativa de que o PIB aumente 3,8% em 2021 e desacelere para 1,8% no ano que vem.

A projeção para a taxa de câmbio ao fim de 2021 foi deixada em R$ 5,30, com o real apoiado em parte pela elevação da Selic a 5,5% no término de 2021.

"Embora as incertezas externas e domésticas sigam presentes, a elevação da taxa Selic, bem como os preços de commodities mais elevados, tende a se refletir em fluxos comerciais favoráveis, abrindo espaço para uma volta do fluxo de dólares para o país", disseram os economistas do banco, que veem a moeda em 5,50 reais o fim de 2022.

A alta do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor) prevista para este ano se manteve em 4,7%, descendo para 3,6% em 2022.