Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.976,70
    -2.854,45 (-2,55%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    -310,37 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,28
    -1,66 (-2,13%)
     
  • OURO

    1.754,00
    +8,40 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    16.586,34
    +145,44 (+0,88%)
     
  • CMC Crypto 200

    386,97
    +4,32 (+1,13%)
     
  • S&P500

    4.026,12
    -1,14 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    34.347,03
    +152,97 (+0,45%)
     
  • FTSE

    7.486,67
    +20,07 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    17.573,58
    -87,32 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    28.283,03
    -100,06 (-0,35%)
     
  • NASDAQ

    11.782,80
    -80,00 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6244
    +0,0991 (+1,79%)
     

Itaú Unibanco empresta mais, controla calotes e amplia lucro no 3º tri

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco divulgou lucro do terceiro trimestre quase em linha com as previsões do mercado, uma vez que maiores receitas com crédito compensaram o aumento das despesas com provisões para calotes, que cresceram em ritmo mais moderado do que seus principais rivais privados.

O maior banco da América Latina anunciou nesta quinta-feira que seu lucro recorrente de julho a setembro somou 8,08 bilhões de reais, alta de 19,2% ante mesmo período de 2021. A previsão média de analistas consultados pela Refinitiv era de 8,11 bilhões de reais para o período.

O desempenho garantiu um aumento ano a ano de 1,03 ponto percentual da rentabilidade no recorrente sobre o patrimônio líquido, para 21%, ao contrário de Bradesco e de Santander Brasil, cujas rentabilidades caíram.

Embora o chamado custo do crédito - que mede a provisão para perdas esperadas com inadimplência, menos valores recuperados - tenha subido 52,7% sobre mesma etapa de 2021, a cerca de 8 bilhões de reais, refletindo a deterioração da carteira, isso aconteceu em ritmo menor do que dos rivais.

No fim de setembro, o índice de inadimplência acima de 90 dias do Itaú era de 2,8%, alta sequencial de 0,1 ponto e de 0,2 ponto ano a ano. Além disso, o chamado NPL Creation, espécie de prévia da inadimplência, teve queda "em todos os segmentos", afirmou o banco. O banco vendeu carteiras ativas sem retenção de riscos com valor de face de 606 milhões de reais.

Na outra ponta, a carteira de crédito total do Itaú fechou o trimestre em 1,1 trilhão de reais, alta de 15,5% em 12 meses, em ritmo também superior ao de Bradesco e Santander , com destaque para as linhas de crédito pessoal (+34,4%), cartão de crédito (+32,7%) e crédito imobiliário (+27,4%).

Com isso, a margem financeira com clientes do Itaú no trimestre evoluiu 33%, para 23,4 bilhões de reais. O banco citou o impacto positivo da Selic na margem de passivos e da taxa de juros pré-fixada no capital de giro próprio. Por outro lado, o resultado da tesouraria encolheu 73%, para 516 milhões.

Em outra frente, as receitas de serviços e seguros cresceram 5,9%, enquanto as despesas administrativas alcançaram 13,9 bilhões, aumento de 8,7%, com impulso da área de cartões sendo compensadas por menores receitas com administração de recursos.

O banco manteve suas previsões de desempenho para 2022.