Mercado abrirá em 4 h 3 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,20
    -0,32 (-0,37%)
     
  • OURO

    1.722,30
    -8,20 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    20.157,13
    +245,86 (+1,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,47
    +11,03 (+2,48%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.002,80
    -83,66 (-1,18%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.550,50
    -90,25 (-0,78%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1553
    -0,0126 (-0,24%)
     

Itaú pisa no freio do crédito, prevê aumento da inadimplência no 2º semestre

Edifício que sedia a XP Investimentos, em São Paulo (SP)

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) -O Itaú Unibanco está desacelerando fortemente a produção de crédito, como parte do esforço para controlar o avanço dos índices de inadimplência nos próximos meses num cenário de juros em elevação, disse o principal executivo do banco nesta terça-feira.

"Chegamos a desacelerar a produção de crédito em até 50% em algumas linhas", disse o presidente-executivo, Milton Maluhy Filho, em teleconferências sobre os resultados trimestrais.

Na noite da véspera, o banco anunciou que seu lucro recorrente do segundo trimestre cresceu um pouco acima do esperado pelo mercado, turbinado pela forte alta do crédito, mesmo num período de juros em elevação, o que o levou a subir as projeções para expansão dos empréstimos em 2022. [nL1N2ZK2BX]

Mas mesmo com a melhora das projeções macroeconômicas do país para o ano, além da concessão de benefícios sociais, como o Auxílio Brasil de 600 reais, o executivo avaliou que o cenário de inflação mais alta corrói a renda das famílias e a capacidade de pagamento dos empréstimos.

Assim, o banco espera deterioração do índice de operações vencidas há mais de 90 dias, que fechou junho em 2,7%, para níveis mais similares aos de antes da pandemia, por volta de 3%.

No mercado, a reação era positiva ao conjunto dos resultados e à sinalização do executivo de que o banco seguirá perseguindo níveis de rentabilidade similares aos 20,8% obtidos no segundo trimestre. Às 13h42, a ação do banco subia 2,1%, enquanto o Ibovespa recuava 0,22%.

Em relatórios a clientes, analistas de BTG Pactual, Safra e Bradesco BBI reforçaram a recomendação de compra para os papéis do Itaú, apontando-o como destaque do setor.

XP

Maluhy Filho sinalizou também que o Itaú Unibanco avalia vender sua participação restante na plataforma de investimentos XP para investidores institucionais.

"Não é do nosso interesse ter um 'overhang' (excesso de ações no mercado, que pode derrubar os preços) ao vender ações da XP", disse o executivo a jornalistas durante teleconferência sobre os resultados do segundo trimestre. "Podemos vender participações para investidores privados."

No mês passado, a Itaúsa, holding controladora do Itaú Unibanco, vendeu 7 milhões de ações da XP, cerca de 1,26% do capital, por cerca de 665 milhões de reais, mantendo cerca de 10,31% do capital da plataforma. O Itaú tem afirmado que planeja se desfazer do negócio, mas que não tem pressa para fazê-lo.

Por outro lado, o Itaú também anunciou em julho a compra do controle da corretora de acesso de investidores de varejo a mercados no exterior Avenue, adquirindo 35% do negócio por 493 milhões de reais.

"O Itaú avalia fazer novas aquisições, se houver oportunidades, disse Maluhy Filho.

(Edição Alberto Alerigi Jr.)