Mercado fechado

Itaú reduz participação acionária na Qualicorp para 4,95%

Poliana Santos
Itaú reduz participação acionária na Qualicorp para 4,95%

O Itaú Unibanco (ITUB4) reduziu sua participação na Qualicorp (QUAL3). O banco passa deter 14 milhões de ações ordinárias, representando aproximadamente 4,95% do total de papéis emitidos pela administradora de planos de saúde.

De acordo com o fato relevante da Qualicorp, "o objetivo das participações societárias acima mencionadas é um investimento minoritário, não envolvendo alteração do controle acionário ou da estrutura administrativa da Companhia".

Itaú Unibanco reduz projeção do IPCA para 3,3% em 2020

O Itaú Unibanco, reduziu, a projeção para o aumento do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em 2020. A estimativa passou de 3,5% para 3,3%.

De acordo com o banco, a previsão do IPCA foi reduzida por conta da alta mais fraca de alguns itens, como a tarifa de eletricidade residencial. A projeção do Itaú está 0,7 ponto percentual abaixo da meta do Banco Central (BC) para este ano, que é de 4%.

“Revisamos nossa projeção para 2020 de 3,5% para 3,3% incorporando menores reajustes em preços administrados, principalmente em energia elétrica”, disseram os economistas do banco.

Confira Também: Itaú: Não há objetivo tão claro como Previdência, diz Mesquita

Além disso, os economistas da instituição financeira ressaltaram que a alta dos preços das carnes, que impulsionou o avanço da inflação em dezembro de 2019, tem potencial deflacionário nos próximos meses.

O banco divulgou ainda a projeção de aumento de preços em 2020 para alguns segmentos, sendo eles:

  • Alimentos no domicílio (+4,3%);
  • Serviços (+3,9%);
  • Produtos industriais (+1,8%).

Para 2021, o Itaú prevê que a inflação também avance 3,5%. De acordo com o banco, a inércia favorável, as expectativas ancoradas e a elevada capacidade ociosa da economia são os fatores que motivam este cenário positivo.

“Tendo em vista a magnitude do hiato do produto e o tempo necessário para seu fechamento, não vemos, no momento, risco significativo de inflação de demanda no horizonte relevante para a política monetária”, salientam os economistas do Itaú.