Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.591,41
    -172,20 (-0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.435,45
    +140,62 (+0,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,06
    +2,49 (+2,27%)
     
  • OURO

    1.821,80
    -3,00 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    20.276,64
    -637,69 (-3,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    441,15
    -8,92 (-1,98%)
     
  • S&P500

    3.821,55
    -78,56 (-2,01%)
     
  • DOW JONES

    30.946,99
    -491,27 (-1,56%)
     
  • FTSE

    7.323,41
    +65,09 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.679,50
    -361,00 (-3,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5390
    -0,0051 (-0,09%)
     

Itaú melhora prognóstico para PIB de 2022, mas sobe estimativas para IPCA e alerta sobre fiscal

Criança está em um carrinho de compras enquanto aponta produtos de limpeza ao lado de sua mãe em um supermercado em São Paulo, Brasil

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco revisou para cima sua projeção para o crescimento econômico do Brasil em 2022, a 1,6%, mas piorou suas estimativas de inflação tanto para este ano quanto para o próximo e alertou sobre impactos negativos sobre a saúde fiscal do país de iniciativas de redução de impostos.

Em cenário anterior, o Itaú esperava crescimento de 1,0% do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano. A melhora na previsão foi justificada por uma "atividade econômica robusta no primeiro semestre", disse em relatório o banco, que espera, contudo, desaceleração a partir da segunda metade do ano, citando expectativa de "queda da renda disponível das famílias" e "evidências mais fortes do efeito contracionista da política monetária".

Para 2023, foi mantido prognóstico anterior de "modesto" crescimento econômico de 0,2%.

Já a previsão do Itaú para a alta do IPCA em 2022 subiu ligeiramente, a 8,7%, de 8,5% antes. "Do lado altista, a revisão reflete principalmente uma menor desinflação de preços livres no segundo semestre desse ano", afirmou a instituição, embora também tenha incorporado, do lado baixista, os efeitos de medidas de redução de impostos atualmente em discussão no Congresso.

Segundo o banco, o balanço de riscos para a inflação deste ano ainda é assimétrico para cima.

Para o ano que vem, a revisão da alta do IPCA foi mais intensa, a 5,6%, contra 4,2% anteriormente, resultado que deixaria a inflação ao consumidor acima do teto da meta oficial para o período. "Incorporamos a reversão da redução de tributos federais em 2022, além de reajustes mais altos em preços administrados e menor desinflação de serviços", afirmou o Itaú.

Os objetivos de inflação perseguidos pelo Banco Central são de 3,50% para 2022 e 3,25% para 2023, sempre com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos.

Com a inflação "elevada, persistente e disseminada", o Banco Central deve continuar elevando a taxa Selic, prevê o Itaú, que não alterou o cenário de alta de 0,50 ponto percentual na reunião de política monetária desta semana e ajuste adicional na mesma magnitude em agosto, o que levaria os juros básicos a 13,75% ao ano.

Na frente fiscal, o Itaú piorou sua projeção para o resultado primário de 2022 para zero, contra superávit de 0,5% do PIB (45 bilhões de reais) previsto anteriormente.

"A maior inflação e crescimento econômico esperados aumentam a arrecadação, mas esta alta deve ser mais que compensada pelas medidas de redução de tributos" atualmente em discussão no Congresso, afirmou o banco no relatório. Seu cenário prevê a implementação das medidas de isenção do PIS/Cofins da gasolina e do etanol e a compensação da União aos Estados pela zeragem do ICMS sobre combustíveis.

"Entendemos que a renúncia de arrecadação, sem compensação do lado das despesas, antes do atingimento de superávits fiscais compatíveis ao menos com a estabilidade da dívida pública no longo prazo é uma estratégia que implica certo risco, em meio a um endividamento público elevado e indefinição do arcabouço fiscal."

O Itaú espera que a dívida bruta do Brasil fique em 79% do PIB em 2022 e depois suba para 82% do PIB em 2023.

(Por Luana Maria Benedito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos