Mercado fechará em 51 mins
  • BOVESPA

    109.458,45
    +2.079,53 (+1,94%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.763,71
    +496,51 (+1,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    44,91
    +1,85 (+4,30%)
     
  • OURO

    1.802,90
    -34,90 (-1,90%)
     
  • BTC-USD

    19.127,01
    +675,05 (+3,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    379,70
    +9,95 (+2,69%)
     
  • S&P500

    3.635,32
    +57,73 (+1,61%)
     
  • DOW JONES

    30.087,04
    +495,77 (+1,68%)
     
  • FTSE

    6.432,17
    +98,33 (+1,55%)
     
  • HANG SENG

    26.588,20
    +102,00 (+0,39%)
     
  • NIKKEI

    26.165,59
    +638,22 (+2,50%)
     
  • NASDAQ

    12.047,00
    +141,75 (+1,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3861
    -0,0542 (-0,84%)
     

Itaú estuda separar negócio com XP e vender 5% de participação

ISABELA BOLZANI
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Itaú afirmou que vem mantendo discussões internas acerca do futuro de seu investimento na XP. Em relatório divulgado aos seus acionistas nesta terça-feira (3), o banco afirmou que está em estágio avançado de análise e discussão de estudos para separar essa linha de negócio do conglomerado do banco em uma nova sociedade. Além disso, também informou que prevê a possibilidade de venda de 5% da XP. Segundo o banco, uma fatia de ações representativas de 41,05% do capital da XP seria segregada para a nova sociedade ("Newco"), e aconteceria mediante a separação de empresas do conglomerado. Com a eventual cisão, os acionistas do Itaú receberiam participação acionária na Newco, cujo único ativo seria a participação na XP. A nova sociedade seria uma companhia aberta e passaria a ser parte do acordo de acionistas da corretora. Ainda em análise, o banco afirmou que caso decida implementar essa separação, ela apenas seria concretizada em 2021. O Itaú também informou que fez um estudo para a venda do restante das ações de emissão da XP detidas pelo banco, correspondentes a 5% do capital social da corretora. O objetivo dessa venda seria monetizar parte de seu investimento na companhia, o que geraria um aumento do índice de capital principal de Basileia III (reforma da regulamentação bancária feita em 2013 como forma de fortalecer o segmento depois da crise financeira de 2008). "A venda, se concretizada e a depender das condições aplicáveis de mercado, poderá ser realizada por meio de uma ou mais ofertas públicas realizadas na Nasdaq [Bolsa de tecnologia de Nova York] ou em qualquer outra bolsa de valores na qual a XP tenha suas ações ou certificados de suas ações listados", afirmou o Itaú em nota. As operações ainda dependem da aprovação do conselho de administração do banco, que avaliará as condições a elas aplicáveis e seus efeitos. "Qualquer eventual nova decisão, negociação ou transação relacionada à participação acionária da companhia na XP será prontamente comunicada ao mercado", afirmou o banco em nota.