Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    56.232,55
    -5.192,33 (-8,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6842
    -0,0369 (-0,55%)
     

Itaú eleva estimativas para inflação, Selic e dólar e vê menor crescimento do PIB em 2021 e 2022

José de Castro
·2 minuto de leitura
Preços de alimentos em supermercado no Rio de Janeiro (RJ)

Por José de Castro

SÃO PAULO (Reuters) - O Itaú Unibanco voltou a fazer uma série de revisões para pior em relação a crescimento, inflação e taxa de câmbio, vendo Selic mais alta até o fim do ano e julgando como "não desprezível" a probabilidade de aumento de gastos sociais por causa da pandemia.

O banco cortou a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) neste ano para 3,8%, ante 4%. A projeção para 2022 sofreu redução ainda mais expressiva: de 2,5% para 1,8%.

"A despeito do aumento do isolamento social, o impacto é menor em 2021 do que em 2022, em consequência do crescimento global robusto e do impulso vindo da vacinação este ano", disse a equipe de pesquisa econômica do Itaú, chefiada pelo ex-diretor do Banco Central Mario Mesquita.

A expectativa é de contração de 0,4% do PIB no segundo trimestre de 2021, após alta prevista de 0,5% entre janeiro e março.

O Itaú elevou a estimativa para o dólar, vendo a moeda em 5,30 reais ao fim de 2021 e em 5,50 reais ao término de 2022. Antes, o banco esperava cotação de 5,00 reais para os dois períodos.

"A taxa de câmbio sofre pressão do aumento dos juros globais e incertezas domésticas (pandemia, dinâmica fiscal e reformas). O aumento da taxa Selic compensa apenas parcialmente o aumento dos riscos", explicou a instituição.

Para o Itaú, a inflação em 2021 e 2022 será mais alta. O prognóstico é que o IPCA suba 4,7% em 2021 (ante 3,8% da projeção anterior), incorporando preços mais altos de petróleo e câmbio mais depreciado. Em 2022, a inflação ao consumidor será de 3,6%, ante taxa de 3,3% esperada anteriormente.

Com preços acelerando e riscos ainda elevados, o Banco Central vai elevar a Selic até 5,50% ao fim do ano, ante projeção anterior de 5,00% e taxa atual de 2,00%.

Por acreditar que os juros ficarão estáveis em 2022, o Itaú também elevou o cálculo para a Selic no ano que vem de 5,00% para 5,50%.