Mercado fechado

Itaú BBA rebaixa Eneva por risco-retorno menos atrativo; ação recua

(Reuters) - Analistas do Itaú BBA cortaram a recomendação para as ações da empresa de energia Eneva para 'market perform', avaliando que relação risco versus retorno da companhia não é mais atrativa, conforme relatório a clientes nesta quarta-feira.

Às 11:04, o papéis da companhia caíam 3,28%, a 15,35 reais, pior desempenho do Ibovespa, que tinha acréscimo de 0,23%.

Entre os fatores para a decisão, Marcelo Sá e equipe destacaram valuation não atrativo, maior concorrência no leilão de reserva de 30 de setembro, potencialmente reduzindo a criação de valor, e pior perspectiva para despacho térmico em 2022-2023.

Eles também afirmaram que o negócio envolvendo Bahia Terra, da Petrobras, está demorando mais do que o esperado. O processo de venda do Polo foi paralisado em junho após decisão judicial.

"A Eneva tem uma das melhores equipes de gestão do setor, um excelente histórico de alocação de capital e boas perspectivas de crescimento", ponderaram.

"Nossa visão mais cautelosa se deve ao fato de que as expectativas para o leilão são muito altas e o resultado pode decepcionar os investidores", acrescentaram.

Com edital aprovado pela Aneel no final de agosto, o certame contratará 2 gigawatts (GW) de projetos termelétricos movidos a gás natural, sendo 1 GW na região Norte e 1 GW nos Estados do Maranhão e Piauí.

O cenário base do Itaú BBA considera um preço por ação a 17 reais, e assume os ativos existentes e que a Eneva venda 600 MW de capacidade no leilão pelo preço máximo.

No pior cenário, o preço cai a 12,50 reais e considera apenas os projetos existentes e nenhum upside do leilão de 30 de setembro, além de menor despacho térmico de longo prazo.

No melhor, a ação vai a 20,4 reais e considera a venda de 900 MW no leilão pelo preço máximo e 1 real por ação de valor presente líquido (NPV) da aquisição do Bahia Terra, bem como maior despacho térmico.

(Por Paula Arend Laier)