Mercado fechará em 6 h 17 min

Itália reabre fronteiras para salvar indústria turística

Por Ella IDE
1 / 2
Vista geral do Coliseu de Roma em 1 de junho de 2020, dia de sua reabertura

A Itália reabriu suas fronteiras aos turistas europeus nesta quarta-feira (3), um mês após a retomada gradual da atividade no país, que espera, com a chegada do verão, salvar sua indústria do turismo, um setor essencial de sua economia minado pela pandemia.

"O país vive de novo", anunciou o ministro de Assuntos Regionais, Francesco Boccia, que lembrou o "sacrifício de todos" e, em particular, dos trabalhadores do setor da saúde.

Os aeroportos de Roma, Milão e Nápoles foram abertos para voos internacionais, incluindo Madri, Barcelona e Nova York.

Vários passageiros circulavam nas saídas e entradas do principal aeroporto da capital, Fiumicino, onde estavam programados pelo menos 30 voos, constatou a AFP.

As gôndolas podem navegar pelos canais de Veneza, e os namorados poderão imaginar que são "Romeu e Julieta" nas varandas de Verona. Desde segunda-feira, o Coliseu de Roma e os Museus do Vaticano recebem visitantes.

No setor de hotelaria, teme-se que os turistas não cheguem este ano à Itália, um dos países da Europa mais afetados pela pandemia de coronavírus que deixou mais de 33.500 mortos, com a Lombardia (norte) como o epicentro europeu da pandemia.

O governo também autorizou a livre-circulação entre as 20 regiões, a partir desta quarta-feira, mas a proibição de grandes aglomerações e a obrigação de usar máscara em locais fechados e no transporte público permanecem.

"Volto para minha casa depois de três meses de espera", disse uma jovem da Calábria (sul), que aguardava sua temperatura ser verificada na estação central de Milão.

Segundo as autoridades, o fluxo de trens e de automóveis nas rodovias da península era regular.

- "Segurança e transparência" -

A crise da saúde "não acabou", alertou na terça-feira, dia do feriado nacional, o presidente da República, Sergio Mattarella, que elogiou a "união" de seu país diante do "inimigo invisível".

De Codogno, na Lombardia, onde o vírus apareceu na Itália em meados de fevereiro, Mattarella pediu ao país que se levante com "solidariedade e coragem" nesses tempos difíceis.

A Itália impôs o confinamento no início de março e, desde então, o número de casos diminuiu regularmente. Agora, o país enfrenta sua pior recessão desde a Segunda Guerra Mundial e a necessidade urgente do retorno dos turistas.

O chefe da diplomacia italiana, Luigi Di Maio, anunciou que viajará neste fim de semana para Alemanha, Eslovênia e Grécia para tentar convencê-los de que a Itália é um país seguro para turistas.

Nesta quarta-feira, planeja receber seu colega francês, Jean-Yves Le Drian.

"A Itália está preparada para receber estrangeiros, com segurança e com a máxima transparência nos números", disse Di Maio.

As pessoas que chegarem na Itália procedentes da Europa não terão de se isolar, a menos que tenham viajado recentemente para outro continente.

As medidas de confinamento têm um efeito devastador no turismo italiano, que representa cerca de 13% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Restaurantes, cafés e spas abriram nas últimas duas semanas. Em casos de ressurgimento da pandemia, o governo se reserva o direito de impor um fechamento localizado.

Apenas 40 dos 1.200 hotéis de Roma abriram, noticiou o jornal "Corriere della Sera" na segunda-feira (1o), e apenas uma dúzia em Milão. Seus proprietários consideram muito caro abri-los para permanecerem vazios.

"Só temos reservas para a partir de meados de junho. Registramos muitos cancelamentos", disse à AFP a recepcionista do Hotel Central do Senado, ao lado do Panteão Romano.

A agência nacional de turismo afirmou que cerca de 40% dos italianos passam férias regularmente no exterior, mas, este ano, podem decidir passar em seu próprio país, o que ajudaria as empresas locais.

"Temos que aproveitar esse momento único em Roma", comentou um casal recém-casado, enquanto tirava fotos em frente à famosa fonte de Trevi, excepcionalmente sem turistas.

Museus, ou locais turísticos, como a Torre de Pisa, as ruínas romanas de Pompeia, ou a Galeria degli Uffizi, em Florença, abriram suas portas nos últimos dias, na expectativa do retorno de turistas estrangeiros.

Os cidadãos provenientes dos países da zona Schengen não terão de cumprir a quarentena obrigatória. A Itália espera reciprocidade, já que boa parte dos países anunciou vetos aos italianos.