Mercado abrirá em 1 h 59 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,24
    -0,72 (-0,87%)
     
  • OURO

    1.778,90
    +8,40 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    64.021,71
    +1.882,75 (+3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.484,46
    +21,10 (+1,44%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.209,54
    -7,99 (-0,11%)
     
  • HANG SENG

    26.136,02
    +348,81 (+1,35%)
     
  • NIKKEI

    29.255,55
    +40,03 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    15.403,50
    +5,00 (+0,03%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5114
    +0,0152 (+0,23%)
     

Itália: passaporte sanitário será obrigatório para trabalhar a partir de 6ª

·3 minuto de leitura
Adoção do passe sanitário obrigatório gerou protestos em Roma (AFP/Andreas SOLARO)

O passaporte sanitário será obrigatório na Itália, a partir desta sexta-feira (15), para todos os trabalhadores dos setores público e privado, uma medida que quer estimular a campanha de vacinação e que enfrenta críticas de milhões de funcionários.

Primeiro país europeu afetado pela pandemia de coronavírus, em fevereiro de 2020, a Itália pagou um alto preço, com mais de 130.000 mortes registradas.

Depois do ano trágico, a campanha de vacinação começou em dezembro e, agora, mais de 80% das pessoas com mais de 12 anos estão totalmente vacinadas, ou 85%, se consideradas aquelas com a primeira dose.

A vacina é obrigatória para o pessoal de saúde e o chamado "passaporte covid" é exigido dos professores.

Para o governo liderado por Mario Draghi, porém, estas medidas não são suficientes para garantir um nível de imunidade alto e evitar novos surtos que podem afetar a atividade econômica. Foi o que aconteceu em 2020 e no início de 2021.

De modo a incentivar a vacinação, o governo anunciou há um mês, com o apoio dos partidos da coalizão, a obrigação de apresentar o "passaporte covid", a partir de 15 de outubro, para se ter acesso ao local de trabalho.

Os empregados que se recusarem a cumprir a medida correm o risco de terem o salário suspenso e de serem multados, se entrarem no local de trabalho sem o documento. Também não podem optar por trabalhar de casa. Os empregadores que evitarem o controle de seus funcionários também estão sujeitos a multas.

Introduzido em agosto para se ter acesso a trens, museus e restaurantes, entre outros, o passaporte de saúde inclui um certificado de vacinação, um comprovante de recuperação pós-covid-19, ou um teste negativo feito nas últimas 48 horas.

- Entre a greve e o teste -

A medida gerou protestos violentos no sábado, em Roma, onde milhares de pessoas, incluindo ativistas de extrema direita, devastaram a sede do maior sindicato do país, o CGIL, e invadiram a emergência de um hospital da capital.

Alguns trabalhadores ameaçaram entrar em greve e até com o bloqueio de portos, se a medida não for revogada.

Segundo estimativa do Ministério da Função Pública, em torno de 250 mil pessoas, dos cerca de 3,2 milhões de funcionários públicos, não estão vacinadas, o que equivale a 7,8%.

No setor privado, este número chega a 2,2 milhões de pessoas em 14,6 milhões, ou 15%. Isso pode representar um desafio, a partir de 15 de outubro, para a recuperação econômica do país após o duro ano de 2020, quando o Produto Interno Bruto (PIB) da península despencou 8,9%.

Luca Zaia, presidente da rica região de Vêneto, ao norte, advertiu sobre o "caos" que a implementação da medida pode causar nas empresas italianas a partir desta data.

"Não podemos garantir a todos que não se vacinaram que façam um teste a cada 48 horas. Os empregadores com os quais eu falo estão muito preocupados", frisou.

A maior organização da indústria, a Confindustria, apoia firmemente a decisão do governo e rejeita a "chantagem" de alguns setores dos trabalhadores.

Para o vice-presidente da Confindustria, Maurizio Stirpe, "não tem motivo para pagar o teste de quem não quer ser vacinado. As pessoas devem assumir suas decisões".

O Forza Italia, o partido de centro-direita de Silvio Berlusconi, e o Partido Democrático, de centro-esquerda, são a favor da obrigatoriedade da vacina.

A medida vem sendo rejeitada pelo governo por enquanto, sobretudo, devido à oposição da Liga, de Matteo Salvini, partido de extrema direita. Membro da coalizão nacional, ele ameaça romper com seus aliados.

ljm/kv/mb/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos