Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.682,38
    -1.558,95 (-4,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Itália dá aval condicional para acordo da Vodafone com Huawei no 5G, dizem fontes

·1 minuto de leitura
Sede da Vodafone Itália, em Milão

Por Giuseppe Fonte e Elvira Pollina

ROMA (Reuters) - A unidade italiana da Vodafone obteve aval condicional da Itália para usar equipamentos fabricados pela chinesa Huawei em sua rede de acesso de rádio 5G, disseram duas fontes próximas ao assunto.

A Itália pode bloquear ou impor condições difíceis em negócios envolvendo fornecedores de fora da UE sob "poderes de ouro", já usados ​​três vezes desde 2012 para bloquear interesse estrangeiro em indústrias tidas como de importância estratégica.

O governo de unidade nacional liderado pelo primeiro-ministro Mario Draghi autorizou o acordo entre a Vodafone e a Huawei em 20 de maio, disse uma das duas fontes à Reuters.

Como em acordos similares, o governo impôs um conjunto de prescrições, incluindo restrições à intervenção remota da Huawei para consertar falhas técnicas e um limite de segurança extremamente alto, acrescentou a fonte.

A Vodafone e a Huawei não quiseram comentar.

Os Estados Unidos pressionaram a Itália e outros aliados europeus para evitar o uso de equipamentos Huawei em suas redes de telecomunicações de próxima geração, além de examinar de perto a rival ZTE, dizendo que as empresas podem representar um risco à segurança.

Huawei e ZTE negam veementemente as acusações.

Nos últimos meses, a Itália adotou uma postura mais dura em relação à Huawei, mas não baniu de todo a infraestrutura 5G.

Sob o comando do primeiro-ministro anterior, Giuseppe Conte, Roma impediu o grupo de telecomunicações Fastweb de assinar um acordo com a Huawei para fornecer equipamentos para sua rede central 5G, onde dados altamente confidenciais são processados.