Mercado abrirá em 49 mins
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,83
    +1,08 (+1,81%)
     
  • OURO

    1.722,30
    -11,30 (-0,65%)
     
  • BTC-USD

    51.618,48
    +2.859,77 (+5,87%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.030,63
    +42,54 (+4,31%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.673,73
    +59,98 (+0,91%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.147,00
    +91,75 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8644
    +0,0023 (+0,03%)
     

ISS vai receber sistema computacional com alto poder de processamento de dados

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Nesta quinta-feira (11), a empresa Hewlett Packard Enterprise (HPE) anunciou o lançamento do Spaceborne Computer-2, um sistema computacional que será utilizado para acelerar a exploração espacial e o processamento de dados. Em parceria com a Microsoft, o dispositivo irá funcionar junto da plataforma Azure, que oferece serviços na nuvem. O dispositivo será lançado em 20 de fevereiro durante a 15º missão de abastecimento da Estação Espacial Internacional (ISS), feita pela Northrop Grumman.

A missão será lançada com a nave Cygnus, batizada de “SS. Katherine Johnson” em homenagem à célebre matemática da NASA, cujo trabalho foi essencial para as missões tripuladas na Lua, entre outras. É estimado que a missão dure de dois a três anos e, depois que o computador estiver preparado para funcionar na órbita, a plataforma Azure poderá ser usada por pesquisadores de todo o mundo para atividades que exigem processamento intenso e envio de dados ao dispositivo.

O Spaceborne Computer-2 (Imagem: Reprodução/Hewlett Packard Enterprise)
O Spaceborne Computer-2 (Imagem: Reprodução/Hewlett Packard Enterprise)

O Spaceborne Computer-2 vai oferecer o dobro de velocidade computacional e terá capacidades de última geração proporcionadas por sistemas e servidores da empresa, para que, assim, seja possível receber e processar dados de dispositivos como satélites e câmeras em tempo real. Ainda, o dispositivo terá GPUs capazes de processar dados que exigem alta resolução de imagens, e poderão contribuir para projetos que utilizem técnicas de inteligência artificial e machine learning.

Essa parceria irá beneficiar várias áreas, como o cultivo de plantas no espaço, modelagens de tempestades de poeira na Terra para ajudar no planejamento de missões espaciais com destino a Marte e até em imagens de ultrassom de exames dos astronautas. Em uma publicação, a HPE explica que "os avanços combinados do Spaceborne Computer-2 vão permitir que os astronautas eliminem a longa latência e tempo de espera associados ao envio e recebimento de dados da Terra, para avançar em pesquisas e conseguir informações imediatamente para uma ampla gama de projetos”.

Réplica do Spaceborn Computer (Imagem: Reprodução/Hewlett Packard Enterprise)
Réplica do Spaceborn Computer (Imagem: Reprodução/Hewlett Packard Enterprise)

Assim, os astronautas e cosmonautas vão conseguir ganhar tempo em meio a uma agenda apertada em um ambiente em que a conexão de internet nem sempre é a mais rápida. Essa novidade foi possível graças aos conhecimentos obtidos com o Spaceborn Computer, o antecessor deste novo dispositivo. Ele foi levado à ISS para uma missão que durou um ano, para que as equipes pudessem investigar a confiabilidade computacional no espaço em um ambiente de alta radiação e gravidade zero.

A missão foi um sucesso: o equipamento resistiu ao tremor do lançamento com o foguete e, ao chegar à ISS, operou normalmente. Segundo a empresa, obter computação mais confiável no laboratório orbital é apenas o primeiro passo para avançar nos objetivos da NASA para viagens espaciais humanas à Lua, Marte e além, onde a comunicação confiável é essencial para o sucesso das missões.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: