Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.325,12
    -2,73 (-0,01%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

ISS fará manobra para desviar de pedaço de satélite que a China destruiu em 2007

·2 min de leitura

Após uma série de adiamentos, o lançamento da missão Crew-3 ficou programado para acontecer nesta quarta-feira, às 23h03 (horário de Brasília), levando quatro astronautas rumo à Estação Espacial Internacional (ISS). Entretanto, algumas horas antes de a missão ser lançada, a ISS precisará realizar uma manobra de desvio de um pedaço de lixo espacial, vindo de um teste de arma anti satélite realizado pela China em 2007.

O objeto em questão foi catalogado como “35114” pela NASA e também pode ser encontrado como “1999-025DKS”. Ele é o resultado de um teste em que a China lançou um míssil suborbital em direção ao satélite climático Fengyun-1C, destruindo-o e liberando milhares de pequenos fragmentos. Originalmente, o satélite ficava em uma órbita alta, mas as interações com a atmosfera foram arrastando os detritos para perto da Terra — e, agora, para o caminho da estação espacial.

Representação das órbitas dos detritos do satélite um mês após a execução do teste (Imagem: Domínio público)
Representação das órbitas dos detritos do satélite um mês após a execução do teste (Imagem: Domínio público)

Joel Montalbano, gerente de programa da Estação Espacial Internacional, afirmou que a equipe da ISS está monitorando o objeto e planejando uma manobra de desvio, que será executada cerca de seis horas antes do lançamento. Segundo a Roscosmos, a agência espacial da Rússia, a manobra será iniciada às 17h15 (horário de Brasília) e os propulsores da nave cargueira Progress MS-18, acoplada ao laboratório orbital, serão acionados por 361 segundos para ajudar no desvio.

Já Jonathan McDowell, astrônomo que monitora e cataloga objetos no espaço, observou que a maior aproximação dos dois objetos parece que ocorrerá no dia 12 de novembro — de acordo com ele, a destruição do satélite criou mais de 3.500 detritos conhecidos, sendo que milhares deles continuam em órbita. Felizmente, Montabalno afirmou que a manobra não afetará o lançamento da Crew-3, já que a cápsula Crew Dragon conseguirá chegar à estação sem grandes problemas. “Tínhamos uma manobra para correção orbital planejada para o dia 16, e esta será realizada antes para cuidar disso”, explicou ele. De tempos em tempos, a ISS precisa acionar os propulsores para corrigir sua órbita.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos