Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.816,90
    -18,90 (-1,03%)
     
  • BTC-USD

    41.747,37
    +2.072,91 (+5,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

Israel testa reforço com vacina da Pfizer em pessoas imunossuprimidas

·1 minuto de leitura

Em meio à vacinação contra a COVID-19, o comum é que os imunizantes exijam duas doses. No entanto, Israel tem apostado numa terceira dose, também chamada de reforço, para as pessoas com sistema imunológico comprometido.

A terceira dose é voltada a pessoas que fizeram transplantes de coração, pulmão e rim ou que têm câncer, por exemplo. Segundo o próprio Ministério da Saúde israelense, há evidências crescentes de que os pacientes com imunossupressão não desenvolvem uma resposta adequada de anticorpos após duas doses das vacinas.

A decisão de dar uma terceira dose foi estimulada pelo aumento da contagem diária de casos. Com mais de 85% de sua população adulta totalmente imunizada, Israel removeu todas as restrições. Mas o surgimento da variante Delta, identificada pela primeira vez na Índia em abril, levou a um aumento na transmissão, com várias centenas de novas infecções registradas diariamente.

(Imagem: Jcomp/Freepik)
(Imagem: Jcomp/Freepik)

O Centro Médico Sheba, em Tel Aviv, anunciou que dará uma terceira injeção a vários pacientes submetidos a transplante de coração.

A vacina da Pfizer é composta por uma tecnologia inovadora, baseada na inclusão de mRNA (RNA mensageiro), que codifica a sequência que gera a proteína S (spike), usada pelo coronavírus para se ligar às células humanas. Essa proteína faz parte do SARS-CoV-2 e é responsável por induzir nossa resposta imune. A tradução do mRNA é feita com o auxílio das nossas próprias células, o que amplifica a geração dessa proteína.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos