Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,38
    +0,48 (+0,74%)
     
  • OURO

    1.834,00
    +2,70 (+0,15%)
     
  • BTC-USD

    58.716,98
    +772,17 (+1,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.566,40
    +130,62 (+9,10%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.131,86
    +2,15 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    28.521,18
    -89,47 (-0,31%)
     
  • NIKKEI

    29.518,34
    +160,52 (+0,55%)
     
  • NASDAQ

    13.642,50
    -67,25 (-0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3645
    -0,0006 (-0,01%)
     

Israel suspende obrigatoriedade de máscaras ao ar livre neste domingo

·1 minuto de leitura
Israelenses caminham no mercado Mahane Yehuda, em Jerusalém, em 18 de março de 2021, usando as máscaras obrigatórias como parte dos esforços das autoridades para conter o coronavírus

O uso de máscara ao ar livre deixará de ser obrigatório a partir deste domingo (18) em Israel, país que apostou fortemente na vacinação em massa de sua população para lutar contra o coronavírus, informaram as autoridades.

Israel foi um dos primeiros países na primavera de 2020 a impor a utilização de máscaras em locais públicos. Atualmente, porém, 53% de sua população de 9,3 milhões de habitantes já recebeu ambas as doses da vacina da Pfizer/BioNTech.

"As máscaras são feitas para nos proteger da pandemia do coronavírus. Mas como os especialistas concluíram que a máscara não era mais necessária ao ar livre, decidi retirar a (obrigação de usar) máscara", disse o ministro da Saúde, Yuli Edelstein, em um comunicado.

"O índice de infecção está muito baixo em Israel graças ao sucesso da campanha de vacinação, por isso é possível suavizar as medidas", acrescentou.

O uso de máscaras, no entanto, continuará sendo obrigatório em locais públicos fechados, como shopping centers.

Israel iniciou uma vasta campanha de imunização no final de dezembro, após um acordo com a gigante farmacêutica norte-americana Pfizer, que rapidamente entregou milhões de doses em troca de informações sobre o efeito das vacinas. O país possui bases de dados com o histórico médico de toda sua população.

Em meados de janeiro, Israel registrava um pico de 10 mil infecções diárias. Atualmente, são menos de 200 e a taxa de positividade nos testes é de 0,3%.

As autoridades já permitiram em março a reabertura de restaurantes, bares e praias.

gl/elm/jz/mis/ic/mvv