Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,87
    -0,26 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.776,70
    -3,50 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    56.775,78
    -3.417,95 (-5,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.287,05
    -104,66 (-7,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    29.226,09
    +256,38 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    29.738,55
    +55,18 (+0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.028,25
    -1,25 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6678
    -0,0183 (-0,27%)
     

Israel paralisa programa de envio de vacinas a aliados, diz ministro da Defesa

Rami Ayyub e Stephen Farrell e Ari Rabinovitch
·1 minuto de leitura
.

Por Rami Ayyub e Stephen Farrell e Ari Rabinovitch

JERUSALÉM (Reuters) - O governo de Israel congelou os planos para enviar doses de vacinas contra a Covid-19 para fora do país, afirmou o ministro da Defesa, Benny Gantz, nesta quinta-feira, após a iniciativa passar por escrutínio do ponto de vista legal.

O primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu, está sendo criticado por doar vacinas da Covid-19 a aliados externos, ao mesmo tempo em que palestinos reclamam que, enquanto potência ocupante, Israel deveria fornecer mais doses do imunizante a eles.

A rede pública israelense Kan, que no início da semana reportou que Israel enviaria pequenas remessas a 19 países, disse que o procurador-geral do país, Avichai Mandelblit, estava buscando esclarecimentos sobre o programa.

Uma autoridade do gabinete de Netanyahu disse que depois que as questões legais foram levantadas, o conselheiro de segurança nacional de Netanyahu pediu que Mandelblit desse sua opinião.

"Eu vejo com bons olhos a decisão de congelar a transferência de vacinas para outros países", disse Gantz no Twitter. Gantz atua no governo de Netanyahu enquanto se prepara para enfrentá-lo em uma eleição no mês que vem.

Netanyahu defendeu mais cedo na semana o que tem sido chamado de "diplomacia da vacina", dizendo que Israel tinha vacinas "não utilizadas" da Moderna sobrando.

"Eu acredito que isso compra cortesia", disse o primeiro-ministro a jornalistas na quarta-feira. "Eu acho que é uma decisão inteligente (...) em troca de muitos dividendos que já recebemos, em muitos contatos contínuos, em muitas áreas diferentes que não irei elaborar aqui".

(Reportagem de Ari Rabinovitch e Stephen Farrell e Rami Ayyub em Jerusalém)