Mercado abrirá em 7 h 40 min
  • BOVESPA

    122.515,74
    +714,95 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.869,48
    +1,16 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,27
    +0,01 (+0,01%)
     
  • OURO

    1.813,50
    -8,70 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    38.161,98
    -1.596,49 (-4,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    926,38
    -34,52 (-3,59%)
     
  • S&P500

    4.387,16
    -8,10 (-0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.838,16
    -97,31 (-0,28%)
     
  • FTSE

    7.081,72
    +49,42 (+0,70%)
     
  • HANG SENG

    26.082,39
    -153,41 (-0,58%)
     
  • NIKKEI

    27.577,76
    -203,26 (-0,73%)
     
  • NASDAQ

    14.982,25
    +29,50 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1220
    -0,0221 (-0,36%)
     

Isolante acústico mais leve do mundo promete deixar aviões menos barulhentos

·3 minuto de leitura

Pesquisadores da Universidade de Bath, na Inglaterra, desenvolveram um material feito à base de grafeno que pode ser usado como um isolante acústico, capaz de reduzir o nível de ruído em até 80%. Com essa eficiência, ele poderia deixar o motor de um avião tão silencioso quanto um secador de cabelos.

Segundo os cientistas, o aerogel de óxido de grafeno e álcool polivinílico pesa pouco mais de 2 kg por metro cúbico, tornando esse material o isolamento acústico mais leve já fabricado. O que faz essa substância extremamente suave e maleável é a estrutura do aerogel que lembra um merengue.

“Conseguimos produzir uma densidade excepcionalmente baixa usando uma combinação líquida de óxido de grafeno e um polímero, que são formados com bolhas de ar batidas e fundidas por congelamento. Essa técnica pode ser comparada com bater claras de ovos para fazer merengues, criando uma massa sólida, mas que contém muito ar”, explica o professor do Departamento de Engenharia Mecânica, Michele Meo, responsável pelo estudo.

Professor Michele Meo e o isolante acústico feito à base de grafeno (Imagem: Reprodução/University of Bath)
Professor Michele Meo e o isolante acústico feito à base de grafeno (Imagem: Reprodução/University of Bath)

Menos barulho

Ao ser aplicado dentro do motor de uma aeronave comercial, o aerogel poderia reduzir o barulho de 105 decibéis produzido pelas turbinas durante a decolagem para algo em torno de 89 decibéis, quase o mesmo que o som gerado por uma furadeira, uma batedeira convencional ou um secador de cabelos potente.

Como a estrutura do aerogel é muito fina e leve, as folhas de isolamento acústico poderiam ser instaladas no interior das turbinas do avião sem aumentar o peso geral da aeronave ou comprometer o consumo de combustível e a estabilidade das asas durante períodos prolongados de voo.

Depois de aprimorar a dissipação de calor do aerogel, os pesquisadores esperam que ele possa ser usado como isolante acústico pelos fabricantes de aviões em 18 meses. “Este é claramente um material muito interessante que poderia ser aplicado de várias maneiras. Inicialmente na indústria aeroespacial, mas também em muitos outros campos, como transporte automotivo, marítimo e na construção civil”, completa o professor Meo.

Esquema de fabricação do "merengue" acústico (Imagem: Reprodução/University of Bath)
Esquema de fabricação do "merengue" acústico (Imagem: Reprodução/University of Bath)

Veículos silenciosos

No ano passado, a Nissan apresentou um metamaterial de isolamento acústico 75% mais leve que as soluções atuais. O composto consegue deixar as cabines dos automóveis mais silenciosas, além de aumentar a eficiência energética reduzindo o consumo de combustível com a diminuição do peso dos veículos.

Atualmente, os isolantes acústicos utilizados pela indústria automobilística são feitos com placas de borracha pesadas e pouco maleáveis, que tendem a degradar com o tempo e em condições climáticas mais severas. Além de perecível, a borracha não consegue vedar a cabine do veículo por completo, deixando frestas por onde o alguns ruídos passam com facilidade.

A invenção da montadora japonesa é composta por uma treliça e um filme plástico feito com polímeros especiais. Essa combinação controla a vibração e limita a transmissão de sons em uma faixa de frequência que vai de 500 Hz até 1200 Hz, filtrando os ruídos gerados pelo motor e pelo atrito dos pneus com o asfalto.

Como possui uma estrutura relativamente simples e barata de ser fabricada, os engenheiros da Nissan esperam que o metamaterial acústico seja utilizado nas linhas de produção de veículos da marca em um ou dois anos, com preços mais competitivos e qualidade superior na comparação com materiais convencionais à prova de som.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos