Mercado abrirá em 7 h 34 min

ISA Cteep tem queda no lucro do 2º tri com postergação de indenizações

Por Letícia Fucuchima

SÃO PAULO (Reuters) - A transmissora de energia ISA Cteep encerrou o segundo trimestre com um lucro líquido de 74,1 milhões de reais, queda de 70,1% no comparativo anual.

O desempenho na última linha do balanço foi afetado principalmente por uma piora do resultado financeiro, que ficou negativo em 301,0 milhões de reais no período, um aumento 117,5% se comparado à despesa financeira do segundo trimestre de 2021.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) da ISA Cteep atingiu 555 milhões de reais, 12% abaixo do registrado um ano antes.

A piora do Ebitda é explicada principalmente pela redução de 7,5% da receita líquida, a 732,9 milhões de reais, devido à reprogramação de pagamentos da Rede Básica Sistema Existente (RBSE).

A postergação de indenizações de RBSE às transmissoras foi determinada pela agência reguladora Aneel no ano passado, a fim de atenuar reajustes tarifários aos consumidores, e com efeito sobre o resultado das transmissoras no curto prazo.

Segundo a diretora financeira da ISA Cteep, Carisa Cristal, o impacto dessa reprogramação da RBSE tende a ser menor no terceiro trimestre.

"Já começamos agora a sentir nesse próximo semestre, teremos um aumento da ordem de 100 milhões de reais (de recomposição da RBSE), e no primeiro semestre do ano que vem, se repetem esses 100 milhões. A partir de julho de 2023, voltamos aos patamares normais da RBSE", disse, em entrevista à Reuters.

Já do lado positivo, a executiva destacou no trimestre a atualização da receita anual permitida (RAP) deste ciclo tarifário pelo IPCA e a entrada em operação de novos empreendimentos de transmissão da companhia.

Em 2022, a ISA Cteep já energizou os projetos Três Lagoas (MS/SP) e Aimorés (MG) e deve concluir Paraguaçu (BA/MG) em breve. Até o fim do ano, estão previstas as entregas de Biguaçu (SC), Itaúnas (ES) e Ivaí (PR).

LEILÕES

O diretor-presidente da ISA Cteep, Rui Chammas, destacou que a companhia vem aumentando seu portfólio, tendo adquirido dois lotes no último leilão de transmissão em junho.

Segundo ele, a empresa já está analisando os empreendimentos dos próximos certames, principalmente os de 2023, nos quais devem ser ofertados grandes linhões para escoamento de energia gerada no Nordeste.

"Vamos continuar investindo na modernização dos nossos ativos em São Paulo e vamos analisar com muita atenção os 50 bilhões (de reais em investimentos) que estão indicados para os leilões de 2023, em princípio", disse Chammas.

REVISÃO DE INDENIZAÇÕES DA RBSE

O presidente da transmissora comentou ainda sobre a discussão recente sobre a RBSE, que poderia reduzir o saldo devedor das indenizações em cerca de 2,4 bilhões de reais, a 31,52 bilhões de reais.

"Na nossa visão, a questão... já foi definida em segunda instância na Aneel, não cabe mudar o passado. De qualquer maneira, tem o mérito para ser analisado... Como isso vai ser encaminhado, não sabemos", disse.

O tema voltou à tona neste ano, após a divulgação, em junho, de uma nota técnica da Aneel que recomendava uma mudança no tratamento do componente financeiro da RBSE.

Uma decisão monocrática de um diretor da Aneel chegou a determinar a revisão dos cálculos, mas ISA Cteep e Eletrobras conseguiram suspendê-la na Justiça. A agência reguladora ainda vai analisar o mérito da decisão --o processo está atualmente suspenso por pedido de vista do diretor Efrain da Cruz.

"Acredito que, passada essa perturbação de processo... o tema será apreciado com o rigor que é característico da Aneel".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos