Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.036,79
    +2.372,44 (+2,20%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.626,80
    -475,75 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,74
    -1,49 (-1,83%)
     
  • OURO

    1.668,30
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    19.432,26
    -56,00 (-0,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    443,49
    +0,06 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.585,62
    -54,85 (-1,51%)
     
  • DOW JONES

    28.725,51
    -500,10 (-1,71%)
     
  • FTSE

    6.893,81
    +12,22 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    17.222,83
    +56,96 (+0,33%)
     
  • NIKKEI

    25.937,21
    -484,84 (-1,83%)
     
  • NASDAQ

    11.058,25
    -170,00 (-1,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3079
    +0,0099 (+0,19%)
     

Irlanda rejeitará planos de reforma fiscal global, diz ministro

·2 min de leitura
O ministro das Finanças irlandês, Paschal Donohoe

A Irlanda não vai aderir aos planos de reforma fiscal mundial - anunciou o ministro irlandês das Finanças, Paschal Donohoe, nesta quinta-feira (15), consolidando a resistência do país a essa medida que vem ganhando apoio no mundo todo.

Pelo menos 132 países já concordaram com reformas em matéria de tributação internacional, as quais incluem um imposto mínimo de 15% sobre as grandes empresas.

No sábado, os ministros das Finanças do G20, grupo que reúne as 19 maiores economias mundiais e a União Europeia, apoiaram o acordo histórico.

O plano é liderado pelos Estados Unidos.

A Irlanda, que aplica 12,5% de imposto sobre as empresas e é vista por alguns como um "paraíso fiscal", não apoiará os planos em sua forma atual, frisou Donohoe.

"O que está na mesa, neste momento, é um acordo, do qual a Irlanda não pode fazer parte", declarou ele à emissora pública irlandesa RTE.

"Estamos comprometidos com negociar para ver se podemos entrar no acordo em algum momento, mas eu defendo 12,5%", acrescentou, destacando que "é uma característica-chave de nossa política econômica há décadas".

O jornal Irish Examiner chegou a noticiar que o governo de Dublin planejava renunciar à sua taxa de 12,5% - o que atraiu várias empresas farmacêuticas e do setor tecnológico americanas instaladas na Irlanda - como parte de um novo acordo fiscal da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em outubro, temendo ser excluído da cena internacional.

"A Irlanda continuará defendendo o direito dos países menores de conservar alguma vantagem competitiva, mas não queremos ser um país atípico, no que diz respeito a um acordo fiscal mundial", disse uma fonte do governo ao jornal.

Aceitar a proposta de 15% criaria "problemas" para "as pessoas que investiram em nossa economia e têm expectativas em relação à previsibilidade da nossa taxa no futuro", justificou Donohoe.

jts-acc/pc/tt