Mercado abrirá em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,08
    -0,07 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.813,90
    -0,60 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    38.856,15
    +1.089,75 (+2,89%)
     
  • CMC Crypto 200

    962,48
    +35,71 (+3,85%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.118,44
    -5,42 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    26.204,69
    -221,86 (-0,84%)
     
  • NIKKEI

    27.728,12
    +144,04 (+0,52%)
     
  • NASDAQ

    15.088,00
    +14,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1463
    +0,0280 (+0,46%)
     

IRB republica balanço e reduz lucro de 2019 em R$ 550 milhões

·4 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O IRB Brasil Resseguros decidiu republicar o balanço de 2019, reduzindo em R$ 550 milhões o lucro líquido realizado durante o ano, como resultado de investigação sobre manipulação dos dados pela diretoria anterior, que hoje é alvo de investigações. Segundo a empresa, "ex-diretores e outros colaboradores da Companhia praticaram irregularidades que culminaram na modificação intencional e sistêmica de dados operacionais da companhia relacionados, principalmente, à provisão de sinistros a liquidar". O IRB anunciou ainda a contratação de bancos para planejar um processo de capitalização, com o objetivo de reenquadrar seus ativos aos critérios estabelecidos pela Susep (Superintendência de Seguros Privados). No primeiro trimestre de 2020, a empresa teve lucro de R$ 13,8 milhões, 92,2% a menos do que no mesmo período do ano anterior. O IRB entrou 2020 em uma crise de credibilidade, que culminou com a demissão de executivos e renúncia do presidente do conselho de administração A turbulência derrubou o valor das ações da empresa a um quarto do vigente no início de 2020. Na sexta (26), a seguradora anunciou que investigação interna identificou os responsáveis pela divulgação de informações falsas ao mercado financeiro e detectou irregularidades no pagamento de cerca de R$ 60 milhões em bônus a diretores e colaboradores. Em comunicados enviados à CVM (Comissão de Valores Mobiliários) no final da noite de segunda, o IRB diz que reavaliações dos resultados anteriores "confirmaram que uma série de registros contábeis conduzidos pela antiga diretoria estavam efetivamente incorretos e recomendavam ajustes". As apurações detectaram problema na contabilização de sinistros e na valorização de vendas de ativos imobiliários e de fundos de investimentos. Após as mudanças, o lucro do período foi reduzido de R$ 1,76 bilhão para R$ 1,21 bilhão. "Os impactos dos erros nas demonstrações contábeis históricas da companhia são relevantes e, as demonstrações contábeis individuais e consolidadas do exercício findo em 31 de dezembro de 2019, bem como suas cifras comparativas, estão sendo corrigidas e reemitidas", escreveu a empresa. No início de março, os então presidente e diretor financeiro do IRB, José Carlos Cardoso e Fernando Passos, foram afastados após suspeita de divulgarem informações falsas sobre interesse do fundo americano Berkshire Hathaway na companhia. A notícia fez as ações da empresa dispararem 6,6% em meio a turbulência gerada por denúncias de manipulação de informações financeiras feitas por uma corretora e pela renúncia do presidente do conselho de administração, Ivan Monteiro. O fundo, porém, disse nunca ter participado e nem ter o interesse de participar da empresa. As investigações concluídas na sexta identificaram os executivos responsáveis pela divulgação da informação, o pagamento indevido de R$ 60 milhões em bônus a ex-executivos e recompra irregular de ações em valores acima dos estabelecidos pelo conselho. O IRB tinha um agressivo programa de bônus para executivos, que premiava a diretoria também pela valorização das ações em bolsa. Entre 2017 e 2019, a companhia teve valorização de 200%, a terceira maior da bolsa de São Paulo. No balanço divulgado nesta segunda, e empresa diz que substituiu executivos que exerciam funções chave, afastou funcionários, reavaliou a estrutura funcional e redefiniu a política de bônus aos funcionários e executivos, com maior ênfase na meritocracia e nas atribuições específicas de cada função. As alterações no balanço provocaram efeitos também na sua liquidez regulatória (que define o montante de ativos que a companhia deve ter para garantir suas provisões) e, por isso, o IRB comunicou ainda a contratação dos bancos Bradesco BBI e Itaú BBA para estruturar um processo de aumento de capital. A insuficiência de liquidez foi apontada por fiscalização da Susep divulgada em maio. O IRB disse nesta segunda, porém, que não enfrenta problemas de solvência. O valor da capitalização ainda não foi definido. A divulgação das informações erradas é alvo de investigações na CVM (Comissão de Valores Mobiliários). Nos comunicados desta segunda, a seguradora diz ainda que está revisando seus estatutos, com aumento do número de conselheiros e diretores, corrigindo controles internos e reavaliando suas políticas contábeis e atuariais. "A Companhia continuará atuando na prevenção de fraudes e manipulações, mediante a adoção de uma política rígida de ética e conduta a ser disseminada entre funcionários, clientes e parceiros", afirmou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos