Mercado abrirá em 21 mins
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,68
    +0,29 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.828,80
    +24,20 (+1,34%)
     
  • BTC-USD

    39.639,93
    -964,09 (-2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    930,51
    +0,58 (+0,06%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.087,14
    +70,51 (+1,00%)
     
  • HANG SENG

    26.315,32
    +841,44 (+3,30%)
     
  • NIKKEI

    27.782,42
    +200,76 (+0,73%)
     
  • NASDAQ

    15.004,00
    -7,50 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0357
    -0,0228 (-0,38%)
     

Ir embora, suspender atividades ou ficar: as opções das multinacionais em Mianmar

·3 minuto de leitura
Loja de informática em Naypyidaw

Fazer as malas, interromper temporariamente suas atividades ou continuar com elas: as grandes empresas estrangeiras reagem de diferentes formas em Mianmar desde o golpe de Estado promovido pela junta militar em 1º de fevereiro.

Várias ONGs pediram a algumas empresas para revisarem suas atividades em Mianmar, enquanto a repressão do protesto por parte do Exército provocou quase 900 mortes e obrigou outras 200.000 pessoas a deixarem suas casas, segundo a ONU, que na quarta-feira acusou a junta militar de "crimes contra a humanidade".

- Partir, uma exceção -

O grupo de telecomunicações norueguês Telenor anunciou, nesta quinta-feira, que vai abandonar Mianmar, vendendo sua altamente lucrativa filial local para uma empresa suspeita de manter vínculos com a junta.

A Telenor Myanmar, uma das maiores operadoras no país, com cerca de 18 milhões de assinantes de seu serviço de telefonia móvel, será vendida para o grupo financeiro libanês M1 Group.

Uma decisão que é excepcional entre as grandes empresas estrangeiras.

- Suspender as atividades -

A gigante da energia francesa EDF anunciou a suspensão de um projeto de barragem hidrelétrica de US$ 1,5 bilhão. Em uma carta dirigida à ONG Justice for Myanmar, a EDF informou que "o respeito dos direitos humanos fundamentais constitui uma condição prévia para qualquer projeto da empresa".

Imediatamente depois do golpe de Estado, a fabricante japonesa de veículos Suzuki interrompeu suas duas fábricas locais, que produziram 13.300 veículos em 2019.

Algumas semanas depois, porém, reabriu as duas fábricas e confirmou que planeja construir uma terceira.

No setor têxtil, a italiana Benetton e a sueca H&M suspenderam qualquer novo pedido procedente de Mianmar.O CEO da Benetton, Massimo Renon, afirmou que queriam "enviar um sinal forte e concreto" com essa suspensão.

No setor energético, a francesa TotalEnergies, estabelecida há muito tempo em Mianmar, tomou uma série de medidas no contexto atual: fim do projeto de desenvolvimento de uma nova refinaria, suspensão das campanhas de exploração e dos pagamentos aos acionistas de um gasoduto, que incluem uma empresa controlada pelo Exército birmanês.

"Condenamos da forma mais enérgica a violência e os abusos contra os direitos humanos que possam (ocorrer) em Mianmar", declarou no final de maio seu diretor-geral, Patrick Pouyanné. Mas "o mundo não é preto e branco" e "existe um direito internacional que não é emocional", argumentou para explicar por que continuavam pagando impostos em Mianmar.

- Permanecer -

A empresa hoteleira Accor, que tem nove hotéis em Mianmar e planeja abrir outros seis, afirmou em março que não tem a intenção de abandonar o país, nem de romper com seu sócio local, o Max Myanmar Group.

"O turismo é o último vínculo do povo birmanês com o mundo", declarou à AFP um porta-voz do grupo.

O grupo de cervejaria japonês Kirin afirmou que iria romper suas relações com o Exército birmanês, com o qual explora duas cervejarias locais, mas não vai se retirar completamente de Mianmar. Este mercado representa 2% do total de suas vendas.

Outra cervejaria, a dinamarquesa Carlsberg, "reduziu sua capacidade" de produção, em um contexto de menor consumo local, sem planejar se retirar.

A fabricante de cigarros britânica BAT, cujos investimentos, atividades e associações envolvem 100.000 funcionários locais, afirma que permanecerá no país com o objetivo principal de manter a segurança e o bem-estar de seus colaboradores.

bur-mch-tsq/soe/els/age/mb/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos