Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,76
    +0,33 (+0,54%)
     
  • OURO

    1.784,20
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    51.840,66
    -3.161,61 (-5,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.194,54
    -48,51 (-3,90%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.757,00
    +6,75 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5421
    -0,1599 (-2,39%)
     

IR 2021: saiba como trabalhador que teve redução de salário e jornada deve declarar

Manoel Ventura
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA — Uma semana depois do início do prazo para enviar as declarações do Imposto de Renda 2021 (ano-base 2020), a Receita Federal informou nesta segunda-feira (dia 8) como devem ser feitas as declarações por quem recebeu compensação do governo por conta da redução de salário e jornada ou suspensão do contrato de trabalho no ano passado.

A medida provisória (MP) 936 permitiu a redução da jornada de trabalho e dos salários em 25%, 50% e 75% e ainda a suspensão do contrato. A MP prevê ainda uma complementação equivalente ao seguro-desemprego a que o trabalhador teria direito, na mesma proporção da redução salarial. Quase 10 milhões de trabalhadores tiveram salário reduzido com a medida.

Embora tenha sido pago junto com o salário, o dinheiro do BEm não foi pago pelos empregadores, e sim pelo governo. Por isso, o CNPJ informado é um número do governo. O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal fizeram os pagamentos, mas os recursos foram desembolsados pelo Tesouro Nacional.

A MP que criou o BEm estabeleceu ainda que o empregador pode, voluntariamente, complementar o salário reduzido do funcionário, para que ele não tivesse perda de renda.

Assim, o funcionário poderia receber o salário reduzido, a compensação do governo e o complemento do empregador. Essa ajuda compensatória extra, paga pelo empregador, não integra a base de cálculo do IR. Ou seja, é isenta.

A ajuda compensatória mensal paga pelo empregador deve ser informada na ficha “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, no item 26 - Outros com o CNPJ da fonte pagadora (empregadora). A Receita recomenda que seja informado na descrição o texto “Ajuda Compensatória” para identificar a natureza dos valores.

Para saber quais valores foram pagos como benefício emergencial ou ajuda compensatória, o contribuinte deve acessar o aplicativo Carteira de Trabalho Digital, disponível nas principais lojas virtuais para celulares e tablets e no site do governo (https://servicos.mte.gov.br/#/trabalhador), e o empregador.