Mercado fechará em 3 h 12 min
  • BOVESPA

    103.227,02
    -4.507,98 (-4,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.962,79
    -57,26 (-0,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,79
    +0,29 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.788,60
    +6,70 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    61.014,87
    -2.035,81 (-3,23%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,13
    -49,91 (-3,32%)
     
  • S&P500

    4.525,53
    -24,25 (-0,53%)
     
  • DOW JONES

    35.546,46
    -56,62 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.214,78
    +24,48 (+0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.290,25
    -188,50 (-1,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6682
    +0,0872 (+1,33%)
     

Irã considera 'equivocado' o relatório da AIEA sobre inspeções nucleares

·2 minuto de leitura
O líder do Irã na AIEA, Kazem Gharib Abadi, em uma reunião em Viena (AFP/Alex Halada)

O Irã descreveu nesta segunda-feira (27) como "equivocado" o relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que aponta que os inspetores da ONU não puderam acessar as instalações nucleares iranianas, e alegou que o acordo de vigilância do programa não "abrange" esse local.

A agência da ONU informou no domingo, em um comunicado, que foi impedida de ter um acesso "indispensável" a uma fábrica de componentes de centrífugas localizada em Karaj, perto de Teerã.

"Durante as negociações em Teerã e em Viena, o Irã informou que [o acordo] sobre a manutenção não abrange os equipamentos vinculados ao complexo Tessa Karaj", escreveu no Twitter o embaixador do Irã na AIEA, Kazem Gharibabadi, afirmando que essas instalações são "objeto de investigações judiciais e de segurança".

Em 23 de junho, o Irã afirmou que interrompeu uma operação de "sabotagem" contra um prédio de sua organização de energia atômica "nos arredores de Karaj" e que abriu uma investigação.

Em 12 de setembro, a AIEA fechou um acordo com o Irã sobre a manutenção dos equipamentos de vigilância de seu programa.

"O relatório de 26 de setembro [da AIEA] está equivocado e excede os termos acertados" entre Teerã e o órgão da ONU, considerou Gharibabadi.

No relatório, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, explicou aos Estados-membros que a República Islâmica havia permitido, porém, que os inspetores visitassem as outras instalações, entre 20 e 22 de setembro.

Esse relatório da AIEA chega em meio a negociações estagnadas para retomar o acordo sobre o programa nuclear iraniano de 2015, alcançado entre as grandes potências e Teerã.

O pacto oferece a Teerã o fim de uma parte das sanções internacionais em troca de que o país prometa seriamente que não pretende desenvolver uma arma atômica e reduza drasticamente seu programa nuclear, sob controle da ONU.

Após a retirada unilateral dos Estados Unidos deste acordo em 2018, sob a presidência de Donald Trump, o Irã também deixou de lado grande parte de seus compromissos.

O ministro iraniano das Relações Exteriores declarou na sexta-feira que os diálogos serão retomados "muito em breve".

ap/kam/rm/bfi/jvb/erl/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos