Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.892,99
    -801,45 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

IPO da Viveo pode movimentar cerca de R$2 bi

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO (Reuters) - A oferta inicial de ações (IPO) da distribuidora de produtos médicos Viveo pode movimentar cerca de 2 bilhões de reais, segundo documento dos coordenadores da operação divulgado nesta segunda-feira na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

A operação coordenada por JPMorgan, Itaú BBA, BTG Pactual, Bradesco BBI, Bank of America e Safra servirá para a companhia com sede em Ribeirão Preto (SP) captar recursos para investir em crescimento e para aquisições, além de permitir que sócios no negócio vendam participações.

A previsão leva em conta a venda integral do lote base da oferta e que cada ação será vendida por 22,87 reais cada, no centro da faixa definida pelos coordenadores, que vai de 19,92 a 25,81 reais por papel.

A fixação do preço está prevista para acontecer em 8 de abril, com as ações estrendo na Bovespa em 12 abril, negociadas sob o ticker VVEO3.

Fundada em 1996 pela família Mafra, que hoje controla o negócio juntamente com a família Bueno, fundadora do gruo Amil, a Viveo, cujo nome oficial é CM Hospitalar, surgiu com foco em exportação e importação de medicamentos.

A partir de 2017, acelerou seu crescimento por meio de aquisições, incluindo o grupo de higiene pessoal Flexicotton, e empresas como Biogenetix, Vitalab, Byogene, de produtos hospitalares; além de uma fatia da Far.Me, de farmacoterapia. A lista de aquisições incluiu ainda a fabricante de vacinas Tecnocold e a de fraldas e descartáveis Cremer.

O grupo, que se apresenta como líder na distribuição de materiais médico-hospitalares e medicamentos no Brasil, com uma participação de mercado de 7%, diz no prospecto preliminar da oferta que tem 15 centros de distribuição no país.

(Por Aluísio Alves)