Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,88
    +0,17 (+0,22%)
     
  • OURO

    1.636,60
    +3,20 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    19.276,38
    +373,50 (+1,98%)
     
  • CMC Crypto 200

    442,82
    +9,72 (+2,24%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.613,21
    +181,66 (+0,69%)
     
  • NASDAQ

    11.384,25
    +68,00 (+0,60%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1666
    -0,0128 (-0,25%)
     

iPhone 14 | Uso exclusivo de eSIM pode melhorar a segurança?

Uma mudança importante anunciada na última semana pela Apple é o fim dos cartões SIM convencionais a partir do iPhone 14. A alteração, que por enquanto deve valer apenas para os modelos de smartphones vendidos nos Estados Unidos, faz com que o aparelho somente funcione com o uso de eSIM, formato em que o componente está instalado diretamente na placa-mãe.

Apesar do que o nome indica, não estamos falando de um cartão “virtual”, mas sim, de uma alternativa que chega a lembrar os primórdios da tecnologias mobile, quando os celulares tinham que ser “habilitados” pelas operadoras. Com a mudança, que já está disponível em outros modelos de aparelhos e também no próprio iPhone, que pode funcionar com um chip físico e um eSIM, o processo é mais simples que o do passado, mas ainda envolve o contato com a operadora.

É aí que, pelo menos na teoria, a novidade deve tornar os smartphones levemente mais seguros. Ainda que golpes envolvendo a clonagem de linhas ou roubos devem seguir acontecendo, eles se tornam um pouco mais complexos com o uso da nova tecnologia, já que mais passos serão necessários para que os bandidos consigam tomar controle das linhas de suas vítimas.

Dificultando a clonagem de chips e o uso indevido das linhas

<em>Sem cartões SIMs convencionais, uso da linha em celulares roubados se torna mais difícil, assim como a clonagem de chips comuns (Imagem: Reprodução)</em>
Sem cartões SIMs convencionais, uso da linha em celulares roubados se torna mais difícil, assim como a clonagem de chips comuns (Imagem: Reprodução)

A ideia de que o cartão SIM, agora, faz parte do corpo dos aparelhos deve dificultar a obtenção de dados pessoais dos usuários que perderam seus celulares. No momento de tensão, muitos podem focar em bloquear dispositivos, aplicativos bancários e contas de usuários, se esquecendo de fazer contato com a operadora para impedir, também, o uso do chip.

Com isso, os criminosos podem inserir o SIM em outro aparelho e continuar tendo acesso a códigos de autenticação em duas etapas, chamadas, SMS e até o WhatsApp, aplicativo de mensagens que é atrelado do número de telefone. Com o eSIM, entretanto, o bloqueio do dispositivo também impede o uso da linha.

Na mesma via, a clonagem de números também se torna mais difícil, pois cartões SIM em branco se tornam inúteis para isso. Claro, comprometimentos de sistemas e agentes internos continuam sendo a principal via de crimes desse tipo, o que também inclui eSIMs que podem ser validados em celulares sob a posse dos bandidos, mas novamente, é um caminho a menos para o crime digital disponível após uma mudança ampla de tecnologia.

Mais informação do usuário, menos golpes telefônicos?

<em>Para habilitar aparelhos, criminosos terão de entrar em contato com operadoras de telefonia, em medida que pode dificultar a prática de golpes por telefone (Imagem: Towfiqu barbhuiya/Unsplash)</em>
Para habilitar aparelhos, criminosos terão de entrar em contato com operadoras de telefonia, em medida que pode dificultar a prática de golpes por telefone (Imagem: Towfiqu barbhuiya/Unsplash)

Outra via que pode ser abordada com a mudança dos chips convencionais para esse novo formato são as fraudes que acontecem pelo celular, com bandidos se passando por familiares, representantes de empresas ou até serviços de atendimento. A ideia é que, para validar um eSIM, o usuário precisa entrar em contato com a operadora e passar seus dados, um processo que nunca é desejável para quem está do outro lado da lei.

É claro, novamente podemos pensar em comprometimentos de sistemas de operadoras ou agentes internos que facilitem nessa tarefa. Por outro, com o eSIM, uma atividade que já é proibida no Brasil se torna ainda mais prejudicada, uma vez que chips vendidos em lojas já exigem que o comprador seja identificado; agora, será preciso fazer isso, também, para habilitar um telefone, o que torna o processo mais difícil e aumenta a possibilidade de detecção por autoridades.

O iPhone 14 funcionará exclusivamente com eSIM, apenas, nos Estados Unidos; outros países, incluindo o Brasil, seguem com os modelos tradicionais, que possuem um slot para chip convencional e possibilidade de configuração de um segundo, no novo formato. Ainda não há data de lançamento marcada para o smartphone que, por aqui, custa a partir de R$ 7.599.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: