Mercado fechado

Ipea sinaliza queda de 27,5% nos investimentos da economia em abril ante março

Alessandra Saraiva

Esse foi o tombo do indicador de formação bruta de capital fixo O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) informou nesta segunda-feira sinalização de queda de 27,5% nos investimentos da economia em abril ante março, devido à pandemia. É o que mostrou o instituto ao anunciar o Indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF).

Segundo o instituto, com o recuo, houve retração de 11% no Indicador Ipea de FBCF no trimestre móvel encerrado em abril. O resultado reflete o forte impacto, nos investimentos, da crise resultante da covid-19, alertou o Ipea.

Ainda segundo o instituto, nas comparações com os mesmos períodos de 2019, houve queda de 32,8% no Indicador de FBCF em abril ante abril de 2019. Entretanto, no acumulado em doze meses, os investimentos mensurados pelo indicador ainda cresceram 0,2% até abril.

O instituto informou ainda a evolução dos componentes por dentro do indicador, em abril. O Ipea detalhou que, na comparação com ajuste sazonal, o consumo aparente de máquinas e equipamentos (produção nacional destinada ao mercado interno acrescida às importações) caiu 39,4% em abril ante março, encerrando o trimestre móvel com queda de 11,3%.

Ao detalhar o consumo aparente, o Ipea informou que, enquanto a produção nacional de máquinas e equipamentos recuou 43,4% em abril, a importação caiu 27,6% no mesmo período de comparação.

Por sua vez, o indicador de construção civil caiu 19,6% em abril, na série dessazonalizada. Com isso, o segmento registrou um recuo de 9,9% na passagem entre o trimestre terminado em janeiro e aquele terminado em abril, pontuou o Ipea.

Ainda segundo o instituto, na comparação com o mesmo período do ano anterior, a queda foi generalizada, por dentro dos componentes do indicador FBCF. Em abril desse ano ante abril de 2019, enquanto o segmento máquinas e equipamentos recuou 46%, a atividade da construção civil, e o componente outros, registraram baixas de 25,6% e 19,1%, respectivamente.

Dado Galdieri / Bloomberg