Mercado fechará em 3 h 31 min
  • BOVESPA

    113.668,78
    +2.484,83 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.642,68
    +265,21 (+0,57%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,21
    +2,93 (+4,78%)
     
  • OURO

    1.716,10
    +0,30 (+0,02%)
     
  • BTC-USD

    49.847,59
    -1.028,12 (-2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,53
    +11,32 (+1,15%)
     
  • S&P500

    3.824,11
    +4,39 (+0,11%)
     
  • DOW JONES

    31.331,69
    +61,60 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.646,22
    -29,25 (-0,44%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.718,25
    +36,50 (+0,29%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7104
    -0,0683 (-1,01%)
     

Ipea revisa inflação dos alimentos de 3% para 4,6% em 2021

DIEGO GARCIA
·1 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A inflação dos alimentos deve subir mais em 2021 do que o inicialmente previsto pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada). O instituto revistou a projeção de 3% para 4,6% a alta nos preços da categoria, segundo carta de conjuntura divulgada nesta terça-feira (23). Com a pressão nos preços dos alimentos, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) deve encerrar o ano em 3,7%, aumento superior aos 3,5% previstos anteriormente pelo Ipea. A variação se deve à perspectiva de um patamar mais alto nos preços internacionais das commodities neste ano e à piora no cenário para a taxa de câmbio, na avaliação do Ipea. O instituto ressaltou ainda que os preços de energia elétrica e combustíveis devem sofrer um impacto maior do que o inicialmente previsto do câmbio menos valorizado e da alta do petróleo. Com isso, os preços administrados devem exercer pressão maior na inflação de 2021 --a projeção do Ipea para a categoria passou de 4% para 4,4%. Por outro lado, a desaceleração da demanda nos serviços, com exceção de educação, fez a expectativa de elevação de preços do segmento recuar de 4% para 3,6%. Apesar da redução, os serviços devem ser o item com mais peso na alta do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) em 2021. A expectativa do Ipea é que a categoria encerre o ano com inflação maior do que a observada em 2020, de 1,8%. Em janeiro, a inflação acumulada era de 4,56%, acima do centro da meta estipulada para 2021, de 3,75%.