Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +413,26 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,39 (-0,61%)
     
  • OURO

    1.777,30
    +10,50 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    60.970,02
    -731,58 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,68 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,57 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,68 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    +10,00 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6943
    -0,0268 (-0,40%)
     

Ipea reduz projeção para crescimento do PIB e vê mais inflação em 2021

Rodrigo Viga Gaier
·2 minuto de leitura
Supermercado limita venda de produtos em meio a restrições de combate à Covid-19

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) reduziu nesta terça-feira a projeção de crescimento da economia brasileira neste ano ao mesmo tempo em que elevou a estimativa de inflação por conta do agravamento da pandemia de Covid-19 e por dificuldades fiscais e no mercado de trabalho.

A nova projeção prevê um crescimento de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2021 ante estimativa de 4% feita no fim do ano passado. Para 2022, o Ipea projeta uma taxa de expansão de 2,8%.

Já a projeção para a inflação oficial do instituto passou a 4,6% este ano, contra alta do IPCA de 3,70% calculada em fevereiro. A meta de inflação para o IPCA em 2021 é de 3,75%, com uma margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

"Duas questões críticas se sobressaem no quadro atual da economia brasileira: um mercado de trabalho em que a ocupação ainda se encontra distante dos níveis pré-pandemia e um desequilíbrio fiscal que se aprofundou no ano passado, cuja reversão em direção à trajetória pré-pandemia enfrenta desafios de curto e longo prazos”, explicou o Ipea.

"A combinação de uma situação fiscal frágil com a necessidade de começar o processo de normalização da política monetária diante da elevação recente da inflação significa que o escopo para a política econômica se contrapor aos efeitos do recente agravamento da pandemia é menor do que em 2020”, completou.

Por um lado, a possível melhora mais forte da economia global pode impulsionar as vendas externas brasileiras e ajudar no ritmo de crescimento do PIB. Mas por outro lado a alta das commodities pode pressionar a inflação este ano, assim como a escassez de insumos para alguns setores.

O Ipea prevê dificuldades para a atividade econômica no primeiro semestre e uma possível reação na segunda metade do ano. Nem mesmo a retomada do pagamento de auxílio emergencial, será suficiente para dar fôlego à atividade no curto prazo, em meio a incertezas quanto à capacidade de ajustes nas contas públicas.

"As previsões para 2021 partem de um cenário de curto prazo em que a economia tende a perder ritmo em virtude do recrudescimento da crise sanitária da Covid-19 e do consequente endurecimento das medidas de isolamento social por parte dos governos estaduais e municipais”, avaliou o Ipea.

Na pesquisa Focus mais recente realizada pelo Banco Central junto a uma centena de economistas, a expectativa é de um crescimento do PIB em 2021 de 3,18%, com a inflação a 4,81%.