Mercado abrirá em 1 h 31 min
  • BOVESPA

    109.068,55
    -1.120,02 (-1,02%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.725,96
    -294,69 (-0,58%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,77
    +0,76 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.795,20
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    16.828,25
    +8,82 (+0,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    395,25
    -6,78 (-1,69%)
     
  • S&P500

    3.933,92
    -7,34 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    33.597,92
    +1,58 (+0,00%)
     
  • FTSE

    7.491,60
    +2,41 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.530,25
    +20,75 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4745
    +0,0081 (+0,15%)
     

Ipea reduz estimativa de inflação para este ano a 5,7% por alívio em administrados

Consumidores aguardam em fila de supermercado no Rio de Janeiro, Brasil

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revisou para baixo sua estimativa de inflação para este ano a 5,7%, de 6,6% antes, devido ao comportamento dos preços administrados, mas ainda prevê taxa acima do teto do intervalo de tolerância.

Para 2023, o Ipea manteve a projeção de alta de 4,7% do IPCA.

A meta de inflação para 2022 é de 3,50%, enquanto a de 2023 está em 3,25%. Para ambos os anos há margem de tolerância de 1,50 ponto percentual, para mais ou menos.

Diante de cortes nos preços de combustíveis e do teto para as alíquotas de ICMS sobre os setores de combustíveis, gás, energia, comunicações e transporte coletivo, o Ipea passou a ver deflação dos preços administrados de 4,2% neste ano, contra projeção de alta de 1,1% feita em junho.

O Ipea estima ainda ligeira desaceleração nos custos de produção, mas ainda vê certa resistência para o comportamento dos alimentos e dos serviços.

"No caso dos alimentos em domicílio, a aceleração prevista é decorrente dos expressivos reajustes de leites e panificados, ocorridos em junho e julho, que não devem ser compensados, mesmo diante da previsão de queda nos próximos meses", avaliou o Ipea.

"Já para os serviços, o aumento da projeção é resultado de uma alta mais forte que a esperada no trimestre anterior, além dos efeitos da manutenção da demanda, decorrentes do forte crescimento da massa salarial", completou.

(Por Rodrigo Viga Gaier)