Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.867,62
    +338,65 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,09
    -0,26 (-0,42%)
     
  • OURO

    1.798,00
    +4,90 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    54.243,25
    -1.510,50 (-2,71%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.254,18
    -8,78 (-0,70%)
     
  • S&P500

    4.173,42
    +38,48 (+0,93%)
     
  • DOW JONES

    34.137,31
    +316,01 (+0,93%)
     
  • FTSE

    6.895,29
    +35,42 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.753,56
    +131,64 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.984,73
    +476,18 (+1,67%)
     
  • NASDAQ

    13.900,50
    -18,75 (-0,13%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7065
    +0,0045 (+0,07%)
     

Ipea eleva previsão do PIB agrícola em 2021; soja é o destaque

·1 minuto de leitura
Colheita de soja em Primavera do Leste (MT)

SÃO PAULO (Reuters) - O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) reviu para 2,2% a projeção de aumento do PIB agrícola do Brasil neste ano, ante uma estimativa anterior de alta 1,5%, graças à perspectiva de nova safra recorde de soja em 2021.

A nova previsão, que leva em conta projeções atualizadas do IBGE para a produção agropecuária e inclui uma revisão metodológica, indica um aumento de 2,3% no valor adicionado da produção vegetal e 1,9% no valor adicionado da produção animal, informou o Ipea nesta terça-feira.

A soja é o grande destaque na produção vegetal tendo em vista a previsão de safra recorde, com expansão de 7,3% ante 2020.

A produção de milho deve avançar apenas 0,3% este ano, ao passo que a cana-de-açúcar deve cair 1,5%, e a safra de café terá uma redução de 23,9%, devido ao ciclo de baixa do arábica e uma seca no ano passado.

"O destaque para essa revisão é a soja com nova safra recorde, até porque as demais culturas, que são relevantes, devem contribuir pouco para o valor adicionado do setor agrícola", disse o pesquisador do Ipea, Pedro Garcia.

Na pecuária, a projeção é de crescimento em todos os segmentos, incluindo aves (3,8), bovinos (1,5%), leite (1,7%), suínos (1,7%) e ovos (2,3%).

"O que nos preocupa é a oferta de animais para abate no início do ano, e se essa situação se mantiver para o restante do ano é possível que a nossa estimativa para a produção de bovinos e produção animal seja revista", ponderou Garcia

(Por Rodrigo Viga Gaier)