Mercado fechará em 6 h 12 min
  • BOVESPA

    110.736,64
    -979,36 (-0,88%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,60
    +0,86 (+1,09%)
     
  • OURO

    1.653,20
    -2,40 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    19.166,89
    +231,44 (+1,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    439,42
    +6,32 (+1,46%)
     
  • S&P500

    3.692,29
    -0,94 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    29.514,00
    -76,41 (-0,26%)
     
  • FTSE

    6.978,39
    -40,21 (-0,57%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.439,25
    +62,50 (+0,55%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1413
    +0,0437 (+0,86%)
     

IPCA tem segundo mês de queda em agosto e inflação em 12 meses recua a 8,73%

Consumidores fazem compras em supermercado do Rio de Janeiro

Por Isabel Versiani e e Rodrigo Viga Gaier

BRASÍLIA/RIO DE JANEIRO (Reuters) - A inflação ao consumidor no Brasil teve o segundo mês de queda em agosto, ainda sob o impacto positivo do recuo dos preços dos combustíveis, e apontando também uma desaceleração dos preços dos alimentos, que vinham resistindo a ceder, mostraram dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira.

Com a nova queda do índice, que foi menos intensa do que a registrada em julho, a inflação em 12 meses ficou abaixo de dois dígitos pela primeira vez em um ano. O índice de difusão da inflação no entanto, que aponta o quão espalhada está a pressão sobre os preços na economia e que estava em queda há três meses, voltou a subir.

O Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu 0,36% em agosto, melhor resultado para o mês desde 1998, quando houve deflação de 0,51%, e quarto melhor para todos os meses da série do IBGE, iniciada em 1980.

A queda veio após a deflação de 0,68% registrada em julho e ficou ligeiramente abaixo da queda de 0,39% estimada por analistas em pesquisa da Reuters. .

Em 12 meses, o IPCA ficou em 8,73%, ante uma alta de 10,07% do mês anterior. Analistas esperavam alta de 8,72%.

A principal contribuição para a deflação no mês veio mais uma vez do grupo de Transportes, com queda de 3,37%, sob o impacto do recuo de 10,82% dos combustíveis. O grupo contribuiu para uma queda de 0,72 ponto percentual da inflação.

O movimento reflete a queda dos preços praticados pela Petrobras nas refinarias em meio à retração dos preços do petróleo no mercado internacional no mês e teve impacto, ainda, da lei patrocinada pelo governo no ano eleitoral que estabeleceu um teto para as alíquotas de ICMS sobre os setores de combustíveis, gás, energia, comunicações e transporte coletivo.

O grupo Comunicação, que tem peso menor sobre o índice geral, caiu 1,10% em agosto.

O destaque de alta veio do grupo Saúde e cuidados pessoais, com 1,31%, e uma contribuição de alta de 0,17 ponto percentual no índice geral.

Já o grupo Alimentação e bebidas teve alta de 0,24%, após aumento de 1,30% no mês anterior.

Segundo o gerente da pesquisa, Pedro Kislanov, a queda do leite foi fundamental para a desaceleração dos alimentos. O leite longa vida teve deflação de 1,78% em agosto, após ter disparado 25,46% no mês anterior. No ano, o produto ainda acumula alta de 74,7%.

"O leite subiu muito refletindo o impacto (dos preços) de fertilizantes e insumos e ainda o efeito das rações. Em agosto o tempo vai ficando menos seco, as pastagens melhoraram e isso ajuda a mexer com os preços do leite", afirmou Kislanov.

Em nota, economistas do banco Itaú Unibanco destacaram que a queda do leite deve contribuir para uma deflação do grupo alimentação nos próximos meses.

"Nossa projeção para o IPCA no final de 2022 é de 7,0%, com viés de baixa dados os resultados recentes e revisões baixistas para os meses de setembro (que deve apresentar nova deflação) e outubro", disseram.

DIFUSÃO

No início desta semana, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o país provavelmente terá um total de três meses de deflação, mas que a batalha contra a inflação não está ganha e que há elementos de preocupação. Ele já havia afirmado anteriormente que a inflação de alimentos veio "bem acima" do que o BC esperava em agosto.

Campos Neto deixou a porta aberta para mais uma alta de 0,25 ponto percentual na taxa básica de juros, atualmente em 13,75% ao ano, após o presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, ter afirmado esperar que os juros começariam a cair em face da deflação.

Em agosto, o índice de difusão da inflação ficou em 65%, ante 63% em julho, na primeira alta desde abril, mas ainda abaixo dos índices ao redor de 75% vistos nos primeiros meses do ano.

"Temos uma inflação espalhada com 65% dos itens em alta; tivemos deflações em itens importantes mas a maior parte do IPCA é positiva", disse Kislanov.

Em nota, o banco Citi destacou que a qualidade da inflação do país segue sendo uma preocupação, com alta ainda elevada dos preços menos voláteis (núcleos de inflação) em 12 meses.

(Edição de Luana Maria Benedito)