Mercado fechado
  • BOVESPA

    126.285,59
    +1.673,56 (+1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.344,11
    +433,58 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,43
    +0,04 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.806,60
    +6,90 (+0,38%)
     
  • BTC-USD

    39.926,03
    +1.111,73 (+2,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,33
    +8,40 (+0,90%)
     
  • S&P500

    4.400,64
    -0,82 (-0,02%)
     
  • DOW JONES

    34.930,93
    -127,59 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.016,63
    +20,55 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    25.473,88
    +387,45 (+1,54%)
     
  • NIKKEI

    27.581,66
    -388,56 (-1,39%)
     
  • NASDAQ

    14.982,25
    -29,25 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0586
    -0,0498 (-0,82%)
     

IPCA sobe 0,53% em junho e alcança 8,35% em 12 meses

·4 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - Puxado pela energia elétrica, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) teve variação de 0,53% em junho. O resultado ocorreu após avanço de 0,83% em maio, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) nesta quinta-feira (8).

O IPCA é o indicador oficial de inflação do país. A variação veio em nível abaixo do esperado pelo mercado. Analistas consultados pela agência Bloomberg projetavam alta de 0,59% no sexto mês do ano.

Mesmo com a desaceleração em junho, o IPCA chegou a 8,35% no acumulado de 12 meses. Ou seja, ampliou a distância em relação ao teto da meta de inflação perseguida pelo BC (Banco Central). No acumulado até maio, a variação estava em 8,06%.

Em 2021, o teto da meta de inflação em 12 meses é de 5,25%. O centro é de 3,75%.

O resultado de junho (0,53%) é o maior para o mês desde 2018 (1,26%). À época, o Brasil vivia os reflexos da greve dos caminhoneiros. A variação em 12 meses (8,35%) é a mais robusta desde setembro de 2016 (8,48%), quando o país passava por recessão.

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, oito tiveram alta em junho, conforme o IBGE. O maior impacto (0,17 ponto percentual) foi de habitação. O grupo subiu 1,1%, principalmente por causa da energia elétrica (1,95%).

Embora tenha desacelerado em relação ao mês anterior (5,37%), a conta de luz teve o maior peso individual no índice de junho (0,09 p.p.). O segundo impacto individual foi da gasolina (0,04 p.p.). O combustível avançou 0,69% em junho, após alta de 2,87% em maio.

“A energia continuou subindo muito por conta da bandeira tarifária vermelha patamar 2, que passou a vigorar em junho e acrescenta R$ 6,243 à conta de luz a cada 100 quilowatts-hora consumidos. Em maio, estava em vigor a bandeira vermelha patamar 1, cujo acréscimo é menor (R$ 4,169). Os preços, porém, desaceleraram em junho devido aos diversos reajustes captados em maio nas áreas pesquisadas. Em junho, tivemos apenas o reajuste médio de 8,97%, em Curitiba, no fim do mês”, afirma André Filipe Guedes Almeida, analista da pesquisa do IBGE.

Conforme Almeida, não foi possível observar efeito da demanda aquecida sobre os preços.

“Quando a gente fala de demanda, geralmente olha para inflação de serviços, que ainda está abaixo do índice geral. Não dá para afirmar categoricamente que temos uma inflação de demanda. É óbvio que a retomada da economia e a melhora no contexto da pandemia podem influenciar [nos próximos meses]”, relatou.

Almeida reforçou que os preços administrados têm provocado recente aumento da inflação. Esse grupo inclui energia e combustíveis.

Em 12 meses até junho, os administrados subiram 12,99%, conforme o IBGE. Enquanto isso, a cesta de serviços avançou 2,24%.

O IPCA ganhou corpo ao longo da pandemia. Em um primeiro momento, houve disparada de preços de alimentos e, em seguida, avanço de combustíveis. Alta do dólar e avanço das commodities ajudam a explicar o comportamento dos preços.

Não bastasse essa combinação, a crise hídrica também passou a ameaçar o controle da inflação. É que a escassez de chuva eleva os custos de geração de energia elétrica no país. O reflexo é a conta de luz mais cara nos lares dos brasileiros.

Além de pesar no orçamento das famílias, a alta nas tarifas de energia também eleva os custos de operação de empresas, que podem repassar parte do impacto para os produtos finais. A situação ocorre no momento em que o consumo é desafiado pelo desemprego em nível recorde no Brasil.

Em uma tentativa de frear a inflação, o Copom (Comitê de Política Monetária do BC) voltou a subir a taxa básica de juros em junho. À época, confirmou aumento de 0,75 ponto percentual na Selic.

Com a elevação, a taxa alcançou 4,25% ao ano. Após a reunião de junho, o Copom sinalizou nova alta na mesma magnitude em seu próximo encontro, em agosto, o que levaria a Selic para 5%.

Analistas do mercado financeiro projetam IPCA de 6,07% ao final de 2021. Ou seja, acima do teto da meta. A estimativa integra a edição mais recente do boletim Focus, divulgada pelo BC na segunda-feira (5).

Novas pressões sobre os preços seguem no radar de analistas. Em São Paulo, o mês de julho começou com tarifaço, que incluiu aumento em contas de luz e pedágio.

Além disso, a Petrobras anunciou nesta semana reajustes nos preços de gasolina, óleo diesel e gás de cozinha no país. Com isso, os valores nas refinarias ficaram 6,3%, 3,7% e 5,9% mais caros, respectivamente.

“O IPCA veio em 0,53% em junho e acumula 8,35% em 12 meses. Nossa projeção era bem mais alta, em 0,65%, e este resultado mostra que alguns componentes da cesta do IPCA estão respondendo à atividade ainda fraca”, analisou André Perfeito, economista-chefe da Necton Investimentos.

Na visão de Perfeito, o indicador abaixo do esperado “pode tirar certo peso das costas” do BC. Contudo, a desvalorização do real ante o dólar “pode jogar no sentido contrário”, voltando a pressionar a inflação, sinaliza o economista. Ele projeta Selic de 6,5% ao final de 2021.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos