Mercado fechado
  • BOVESPA

    128.427,98
    -339,48 (-0,26%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.170,78
    +40,90 (+0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,06
    -0,02 (-0,03%)
     
  • OURO

    1.778,00
    -5,40 (-0,30%)
     
  • BTC-USD

    32.744,79
    -1.217,19 (-3,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    785,90
    -24,29 (-3,00%)
     
  • S&P500

    4.241,84
    -4,60 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    33.874,24
    -71,34 (-0,21%)
     
  • FTSE

    7.074,06
    -15,95 (-0,22%)
     
  • HANG SENG

    28.927,02
    +109,95 (+0,38%)
     
  • NIKKEI

    28.905,46
    +30,57 (+0,11%)
     
  • NASDAQ

    14.298,00
    +35,00 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9266
    -0,0019 (-0,03%)
     

IPCA põe pressão no Copom por novos aumentos de juros

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, BRASIL, 25-04-2013 - Banco Central no Setor Bancário Sul, em Brasília (DF). (Foto: Sergio Lima/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASÍLIA, DF, BRASIL, 25-04-2013 - Banco Central no Setor Bancário Sul, em Brasília (DF). (Foto: Sergio Lima/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A surpresa com a alta da inflação nos últimos meses aumentou a pressão sobre o BC, que irá definir o novo patamar da Selic (taxa básica de juros) na quarta (15).

Segundo economistas, a tendência é que o BC mantenha o ritmo de aumento dos juros, mas a taxa deve subir mais ao longo do ano.

A preocupação com a alta de preços começa a se fazer notar nas previsões para os juros básicos em 2021. No Boletim Focus do BC, a estimativa há um mês era de uma Selic de 5,5%. No mais recente, a previsão passou para 5,75%, número que deve subir no próximo levantamento, que levará em consideração a inflação de maio acima das previsões.

A pressão da energia elétrica fez a inflação acelerar em maio, pelo IPCA. O indicador subiu 0,83%. No acumulado de 12 meses, a alta foi de 8,06% (acima do teto da meta, de 5,25% para este ano).

Nesta quinta (10), o Itaú revisou as estimativas de Selic para o fim do ano. Antes, eram esperados juros de 5,5% ao ano, agora, a expectativa é de 6%.

O banco também reviu suas projeções para a alta do PIB em 2021, de 5% para 5,5%, e do dólar, de R$ 5,30 para R$ 4,75.

Para a economista Zeina Latif, o resultado recente da inflação não deve pesar na decisão, em si, pois não faria sentido o BC reagir a um sinal de curto prazo. Em sua avaliação, o BC deve manter seu diagnóstico, levando em conta também que o dólar mudou de patamar, o que pode gerar uma melhora nas projeções.

"Acredito que o BC deve manter o discurso sereno, talvez deixando uma porta aberta para um novo aumento de 0,75, mas sem guinadas no discurso."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos