Mercado abrirá em 2 h 29 min
  • BOVESPA

    120.294,68
    +997,55 (+0,84%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.329,84
    +826,13 (+1,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    62,70
    -0,45 (-0,71%)
     
  • OURO

    1.747,40
    +11,10 (+0,64%)
     
  • BTC-USD

    62.580,80
    -1.009,26 (-1,59%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,70
    -8,07 (-0,59%)
     
  • S&P500

    4.124,66
    -16,93 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    33.730,89
    +53,62 (+0,16%)
     
  • FTSE

    6.959,65
    +20,07 (+0,29%)
     
  • HANG SENG

    28.793,14
    -107,69 (-0,37%)
     
  • NIKKEI

    29.642,69
    +21,70 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    13.877,00
    +78,25 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7682
    -0,0047 (-0,07%)
     

IPCA-15 tem maior alta para março em 6 anos por gasolina e taxa em 12 meses supera teto da meta

Camila Moreira
·3 minuto de leitura
Posto de combustíveis em Cuiabá

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A gasolina continuou exercendo forte peso e a prévia da inflação oficial do Brasil registrou em março a maior alta para o mês em seis anos, com o acumulado em 12 meses ultrapassando o teto da meta do governo.

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) registrou alta de 0,93% em março, de acordo com os dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O dado ficou bem acima da alta de 0,48% vista em fevereiro, mas pouco abaixo da expectativa em pesquisa da Reuters de avanço no mês de 0,96%, caracterizando a alta mais intensa para o mês de março desde 2015 (+1,24%).

O resultado levou a taxa acumulada do IPCA-15 em 12 meses a 5,52%, de 4,57% antes e expectativa de 5,55%. Com isso, supera o teto da meta do governo para este ano, que é de uma inflação de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos, medida pelo IPCA.

A maior influência individual para o resultado foi exercida pela alta de 11,18% da gasolina, cujos preços aumentaram pelo nono mês consecutivo.

Na sexta-feira, a Petrobras anunciou o primeiro recuo dos preços da gasolina em suas refinarias, seguido de outro a partir desta quinta-feira, mas o combustível ainda acumula aumento de quase 41% frente aos valores praticados no início de 2021.

Com isso os preços do grupo Transporte tiveram o maior avanço no mês, de 3,79%, acelerando ante alta de 1,11% em fevereiro. Também subiram os custos de etanol (16,38%), óleo diesel (10,66%) e gás veicular (0,39%).

Dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE, oito apresentaram alta em março. O segundo maior impacto foi exercido por Habitação, com alta de 0,71%, com destaque para o aumento de 4,60% do gás de botijão, no 10º mês consecutivo de alta.

Já a alta dos preços de Alimentação e bebidas desacelerou a 0,12% de 0,56% em fevereiro, com os alimentos para consumo no domicílio caindo 0,03% após sete meses consecutivos de alta. Contribuíram para esse resultado as quedas de tomate (-17,50%), batata-inglesa (-16,20%), leite longa vida (-4,50%) e arroz (-1,65%).

O único grupo a apresentar deflação em março foi Educação, que caiu 0,51% após alta de 2,39% em fevereiro.

O cenário inflacionário no Brasil tem sido encarado com cautela, em meio ainda à desvalorização do real e preocupações de repasse cambial aos preços. Instituições econômicas já passaram a elevar suas estimativas tanto para a alta do IPCA quanto para a taxa básica de juros.

Na semana passada o Banco Central elevou a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, e explicou que a decisão de elevar a Selic a 2,75% e indicar outra alta do mesmo valor para maio levou em conta os riscos fiscais de curto prazo em meio ao recrudescimento da pandemia no país e preocupações com a desancoragem das expectativas para a inflação.

Já Campos Neto afirmou que a atual conjuntura global de juros baixos, liquidez abundante e disponibilidade de vacinas faz o mercado precificar um aumento da inflação, mas minimizou risco de problemas decorrentes desse cenário.

Para este ano, a pesquisa Focus realizada pelo BC junto a uma centena de economistas mostra que a expectativa é de uma alta do IPCA de 4,71%, com a Selic a 5,00%.