Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    60.652,40
    -1.407,11 (-2,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

IPCA-15 sobe aposta em aceleração da Selic mesmo com sinal do BC

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Alta de 1,14% do IPCA-15 em setembro, no teto das estimativas e acima dos 10% em 12 meses, reforçou a preocupação com a escalada dos preços e provocou nova inclinação da curva de juros, com aposta majoritária em aceleração da Selic, mesmo depois da sinalização de aumento de 1 ponto percentual dada pelo Copom.

Most Read from Bloomberg

Os analistas destacam núcleos pressionados e avanço dos combustíveis e da energia elétrica, itens que tiveram o maior impacto no índice, segundo o IBGE, mas que estão menos sujeitos aos efeitos do aperto monetário. A gasolina subiu 2,85% e acumula 39,05% nos últimos 12 meses.

Antes da reunião do Copom, na última quarta-feira, a curva de juros mostrava precificação de alta da Selic de 109,4 pontos para outubro. Depois do IPCA-15, a aposta subiu para 119,5 pontos.

A reação das taxas, no entanto, é contida tanto pelo comunicado de quarta-feira como pela declaração recente do presidente do BC, Roberto Campos Neto, de que a autoridade não vai alterar seu plano de voo a cada dado de alta frequência.

Veja o que dizem os analistas:

Alberto Ramos, economista-chefe para América Latina do Goldman Sachs

  • IPCA-15 em setembro veio alto e acima do esperado, com surpresas desfavoráveis em vários grupos e em particular o núcleo do índice e o núcleo de serviços, bens industriais e duráveis

Mariam Dayoub, economista-chefe da Grimper Capital

  • Embora o Banco Central tenha sinalizado manutenção do ritmo de 1pp, o IPCA-15 pressiona os juros e indica que “possivelmente o aperto teria de ser um pouco mais forte, na margem”

  • “Quando saiu o IPCA de agosto, essa também foi a reação. Até o Campos Neto dizer que não mudaria o plano de voo por causa de dados de curto prazo. Mas dada a surpresa, de novo, para cima, é natural o mercado reagir assim”

Flavio Serrano, economista-chefe da Greenbay Investimentos

  • IPCA-15 mais alto não deve mudar plano de voo do BC, “mas o risco de curto prazo para a inflação é de alta e isso vai continuar contaminando as expectativas”

  • Ele não vê Selic em dois dígitos; ciclo deve terminar com taxa em 8,50% ou 9%

Tatiana Nogueira, economista da XP Investimentos

  • IPCA-15 confirma leitura de inflação elevada no curto prazo, diante de repasses dos elevados custos de produção e efeito da aceleração dos preços dos serviços

  • Desvios mais significativos em relação à projeção da XP vieram de preços de passagem aérea

  • Média dos núcleos da inflação saltou para 0,76% em setembro, após alta de 0,54% em agosto

  • XP diz que sua estimativa para o IPCA de setembro é de 1,09%, mas está em revisão, com “leve viés de alta”

Daniel Xavier, economista do Banco ABC

  • IPCA-15 acima da mediana de estimativas do mercado mostrou um quadro qualitativo “bastante desfavorável” e reforça um cenário de ciclo maior de alta dos juros

  • Núcleos vieram pressionados e todas as categorias estão em alta, como alimentação no domicílio, serviços, preços industriais e administrados

  • Resultado divulgado hoje é compatível com IPCA fechado do mês acima de 1,2% e o ano tenderia a orbitar em cerca de 8,5%

  • ABC projeta que a Selic chegará a 9,00% em fevereiro de 2022

  • “O ritmo tende a ser mantido - é o adequado, na visão do BC - mas o orçamento será ajustado de modo a cumprir as metas”

CM Capital

  • A política monetária não tem capacidade de modificar a trajetória dos preços administrados e dos preços de alimentação no domicílio, que são fixados por agências regulatórias e estão sujeito à evolução das safras, respectivamente

  • Portanto, alterar a taxa de juros para modificar a inflação gera impacto sobre um grupo específico dos bens, os chamados núcleos da inflação, que, com o resultado de setembro acumulam inflação de 6,07% em 12 meses, acima da meta

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos