Mercado abrirá em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,33 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,59 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    75,00
    +1,02 (+1,38%)
     
  • OURO

    1.758,90
    +7,20 (+0,41%)
     
  • BTC-USD

    44.166,61
    +2.101,08 (+4,99%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.102,25
    -0,81 (-0,07%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,20 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.308,50
    +116,34 (+0,48%)
     
  • NIKKEI

    30.241,26
    -7,55 (-0,02%)
     
  • NASDAQ

    15.392,00
    +73,25 (+0,48%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2532
    -0,0024 (-0,04%)
     

IPCA-15 dispara 0,89% e tem maior alta para agosto em quase duas décadas

·3 minuto de leitura
Energia elétrica teve impacto em prévia da inflação

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - A pressão de energia elétrica levou a prévia da inflação oficial do Brasil a disparar para o nível mais alto para um mês de agosto em quase duas décadas, em momento de forte preocupação com a alta dos preços e de intensificação do aperto monetário.

Com a alta de 0,89% em agosto, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) acelerou com força sobre a taxa de 0,72% de julho, batendo o nível mais elevado para um mês de agosto desde 2002 (+1,00%).

Os dados divulgados nesta quarta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram ainda que em 12 meses o IPCA-15 passou a subir 9,30%, contra 8,59% no mês anterior.

O resultado assim marca a taxa mais elevada nessa base de comparação desde maio de 2016, quando foi de 9,62%, e dispara bem acima do teto da meta para este ano -- de 3,75%, com margem de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

As expectativas em pesquisa da Reuters eram de avanços do IPCA-15 de 0,82% e 9,24% respectivamente nas comparações mensal e anual.

A energia elétrica foi o principal responsável pelo resultado do índice de agosto, com alta de 5,0%, em meio à crise hídrica e à bandeira vermelha patamar 2, além do reajuste de 52% no valor adicional da bandeira a partir de 1º de julho.

Com isso, o grupo Habitação registrou a maior variação em agosto, de 1,97%, embora a alta tenha desacelerado sobre a taxa de 2,14% de julho.

A segunda maior contribuição para o dado de agosto veio dos Transportes, cujos custos aumentaram 1,11% com a aceleração dos preços dos combustíveis a 2,02%, de 0,38% em julho. Somente a gasolina avançou 2,05%, acumulando em 12 meses uma alta de 39,52%.

Alimentação e bebidas também ficou mais cara, com a inflação desse grupo chegando a 1,02% em agosto de alta de 0,49% no mês anterior, com disparada dos preços de tomate (16,06%), frango em pedaços (4,48%), frutas (2,07%) e leite longa vida (2,07%)

A única queda registrada foi em Saúde e cuidados pessoais, de 0,29%, devido principalmente à deflação nos preços dos itens de higiene pessoal (-0,67%), produtos farmacêuticos (-0,48%) e plano de saúde (-0,11%).

Com o país sob intensa pressão inflacionária, o Banco Central intensificou o aperto monetário e elevou a Selic a 5,25%, prevendo novo aumento de 1 ponto percentual em setembro.

Segundo o BC, apertos seguidos e sem interrupção nos juros básicos são necessários para levar a taxa Selic para patamar acima do neutro, para que assim as projeções de inflação fiquem na meta.

A pesquisa Focus realizada semanalmente pelo BC mostra que o mercado já vê a inflação terminando este ano a 7,11% no acumulado em 12 meses, depois de 20 altas seguidas na estimativa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos