Mercado abrirá em 2 h 21 min
  • BOVESPA

    100.774,57
    -1.140,88 (-1,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.007,16
    +308,44 (+0,62%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,87
    +1,30 (+1,98%)
     
  • OURO

    1.771,60
    -12,70 (-0,71%)
     
  • BTC-USD

    56.757,43
    -264,78 (-0,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.446,84
    -22,24 (-1,51%)
     
  • S&P500

    4.513,04
    -53,96 (-1,18%)
     
  • DOW JONES

    34.022,04
    -461,68 (-1,34%)
     
  • FTSE

    7.132,50
    -36,18 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    23.788,93
    +130,01 (+0,55%)
     
  • NIKKEI

    27.753,37
    -182,25 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    15.973,50
    +103,75 (+0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4085
    -0,0383 (-0,59%)
     

IPCA-15: Combustíveis seguem pressionando inflação e política monetária

·3 min de leitura

Em dia morno, por causa do feriado do Dia de Ação de Graças nos EUA, a principal notícia da agenda macroeconômica brasileira ficou por conta da divulgação do IPCA-15, que é uma prévia da inflação oficial do país. 

Segundo o IBGE o índice ficou 1,17% no mês de novembro, após alta de 1,20% no mês anterior. O resultado veio praticamente em linha com o esperado por analistas de mercado, que estimavam uma inflação de 1,10% no mês.

Porém, foi a maior variação para um mês de novembro desde 2002, quando o índice foi de 2,08%.

Entre os componentes do índice, o que mais pesou foi os custos de transportes. Aqui é incluído itens como combustíveis, aplicativos de carona, passagens aéreas, transporte público, fretes, entre outros.

Mais uma vez, a gasolina foi a principal responsável pela alta dos preços, com alta de 6,61% no mês. 

Esse foi o maior impacto individual no índice do mês, contribuindo com 0,40 ponto porcentual da inflação total. No ano, o combustível acumula variação de 44,83% e, em 12 meses, de 48%.

A boa notícia ficou por conta dos alimentos e bebidas, que vem subindo menos a cada mês. No IPCA-15 de outubro, este grupo sofreu aumento de 1,38%, já em novembro a subida foi menor, de 0,40%, o que representa um arrefecimento na pressão deste componente que tem um peso muito grande no dia a dia do brasileiro.

Inflação global e reação dos bancos centrais

Vale destacar que a inflação vem afetando não só o Brasil. A disparada dos combustíveis e demais commodities, como a carne bovina, tem sido responsável pelo aumento dos preços nos quatro cantos do globo.

As autoridades monetárias dos principais bancos centrais do mundo argumentam que a disparada dos preços é uma força passageira, resultado de choques de oferta derivados da pandemia da Covid-19.

Entretanto, o aumento persistente dos preços está começando a incomodar, gerando pressão sobre as decisões de política monetária.

Para alguns analistas, a expectativa é de que o aumento dos juros das principais economias do mundo ocorram antes do anunciado pelos Bancos Centrais.

Nos EUA, o mercado visualiza uma correção nos juros já no meio do ano que vem. O Federal Reserve (Fed) vem reduzindo as compras mensais de títulos em 120 bilhões de dólares, os quais vêm sendo injetados mensalmente em compras de ativos financeiros desde o início da pandemia. 

As previsões apontam para o início da subida dos juros em junho de 2022, que é quando se finalizará os estímulos por compra de ativos.

Na Europa o Banco Central Europeu (BCE) vem deixando a política monetária inalterada, descartando, por enquanto, um aumento de juros no próximo ano.

Contudo, os membros da instituição tem reconhecido que a inflação levará mais tempo do que o esperado para cair, uma vez que os gargalos na indústria persistem e os preços da energia permanecem altos.

Enquanto isso, no Brasil o Banco Central está bem adiantado na luta contra a inflação. Isso porque a instituição foi uma das primeiras do mundo a iniciar o movimento de alta de juros, que segue a passos largos. 

Até o momento, a Selic já subiu de 2%, em maio de 2021, para 7,75%, em decisão na última reunião do COPOM no final de outubro. A expectativa é que o BC suba os juros mais uma vez em 1,50%.

This article was originally posted on FX Empire

More From FXEMPIRE:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos