Mercado fechado

Investimentos caem 1% em novembro com menor importação de máquinas

Bruno Villas Bôas

É o segundo recuo mensal consecutivo do indicador Ipea de Formação Bruta de Capital Fixo Com a menor importação de máquinas e equipamentos, os investimentos fecharam novembro em terreno negativo. Divulgado nesta segunda-feira, o Indicador Ipea Mensal de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) — medida dos investimentos em máquinas, equipamentos, construção civil e pesquisa — recuou 1% em novembro, na comparação a outubro.

Foi o segundo resultado negativo consecutivo. O indicador calculado pelo Ipea havia recuado 2% em outubro, frente a setembro. Quando comparados a novembro de 2018, os investimentos mostram queda de 1,8%. O resultado acumulado ainda mostra alta de 2,5% nos 11 meses do ano e de 2,1% em 12 meses encerrados em novembro de 2019.

Dos segmentos que compõem os investimentos, o destaque negativo foi o consumo aparente de máquinas e equipamentos — soma da produção doméstica destinada ao mercado interno com as importações. O segmento recuou 4% em novembro, feitos os ajustes sazonais. A produção doméstica até cresceu (0,4%), mas os importados tiveram forte baixa (-5,1%)

A boa notícia é que o indicador de construção civil cresceu 0,5% em novembro, após ter recuado 1% no mês anterior. O terceiro componente, classificado como outros ativos fixos, registrou alta de 0,4% de outubro para novembro, pela série com ajuste sazonal da pesquisa do Ipea.