Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.920,61
    +356,17 (+0,30%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.934,91
    +535,11 (+1,11%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,89
    +0,18 (+0,28%)
     
  • OURO

    1.814,70
    -1,00 (-0,06%)
     
  • BTC-USD

    56.758,45
    +15,34 (+0,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.476,32
    +4,90 (+0,33%)
     
  • S&P500

    4.201,62
    +34,03 (+0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.548,53
    +318,19 (+0,93%)
     
  • FTSE

    7.076,17
    +36,87 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.637,46
    +219,46 (+0,77%)
     
  • NIKKEI

    29.257,24
    -74,13 (-0,25%)
     
  • NASDAQ

    13.632,25
    +34,50 (+0,25%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3665
    -0,0001 (-0,00%)
     

Investimento estrangeiro direto caiu pela metade no Brasil, diz Unctad

·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O investimento estrangeiro direto caiu praticamente pela metade no Brasil no primeiro semestre de 2020, segundo a Unctad (sigla em inglês para Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento). Os aportes internacionais somaram U$ 18 bilhões (R$ 103 bilhões) na primeira metade do ano, recuo de 48% em relação a igual período de 2019, impactados pela pandemia e pela paralisação do programa de privatizações lançado pelo governo brasileiro no ano passado, conforme a entidade intergovernamental ligada à ONU (Organização das Nações Unidas). O investimento estrangeiro direto é voltado para o longo prazo, diferentemente do investimento no mercado de capitais, que visa ganhos num prazo mais curto. Ele inclui, por exemplo, a compra por estrangeiros de participações significativas em empresas nacionais, a abertura de filiais de multinacionais em território brasileiro e investimentos na construção de fábricas ou em obras de infraestrutura. A queda do investimento estrangeiro direto no Brasil foi superior à registrada na América Latina e Caribe como um todo (-25%). Na região, Chile (67%) e México (5%) tiveram aumento da entrada de recursos, enquanto Colômbia (-34%), Argentina (-40%) e Peru (-72%) registraram quedas. Em todo o mundo, os fluxos de investimento direto somaram US$ 399 bilhões no primeiro semestre, queda de 49% em comparação com os mesmos meses de 2019, com recuo maior nos países desenvolvidos (-75%) do que naqueles em desenvolvimento (-16%). Entre os países que mais receberam aportes no ano passado, a maiores quedas esse ano foram registradas na Itália (-74%), Estados Unidos (-61%), Brasil (-48%), Austrália (-40%), Canadá (-32%), Índia (-29%), França (-25%) e China (-4%). Na outra ponta, México (5%) e Alemanha (15%) foram os únicos desse grupo a registrar aumento da entrada de recursos. "Com a pandemia, medidas como confinamento social e bloqueios atrasaram ou cancelaram projetos de investimento. Além disso, as perspectivas de uma recessão profunda levaram empresas multinacionais a reavaliar ações", observa a Unctad, em comunicado. "É mais drástico do que se esperava, principalmente nas economias desenvolvidas", observou James Zhan, diretor de investimentos e empresas da Unctad, também em comunicado. "As economias em desenvolvimento resistiram à tempestade relativamente melhor na primeira metade do ano e o panorama permanece altamente incerto." Apesar de o Brasil ter registrado a terceira maior queda no investimento estrangeiro direto no primeiro semestre, a Unctad avalia que as perspectivas são melhores para a segunda metade do ano. "Os fluxos devem se recuperar moderadamente no segundo semestre, à medida em que a venda de ativos for retomada e um novo plano de infraestrutura seja lançado", escreve a entidade, em relatório. Globalmente, a Unctad manteve sua projeção de uma queda de 30% a 40% nos fluxos de investimento estrangeiro direto em 2020. "Os fluxos dependerão da duração da crise de saúde e da eficácia das intervenções políticas para mitigar os efeitos econômicos da pandemia", observou a entidade. "Os riscos geopolíticos continuam aumentando a incerteza."