Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.040,98
    -1.942,46 (-3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Investimento estrangeiro direto atinge menor nível em 15 anos e China ultrapassa EUA, segundo OCDE

·1 minuto de leitura

PARIS (Reuters) - O investimento estrangeiro direto (IED) caiu para o seu menor nível em 15 anos no ano passado e a China, uma das poucas grandes economias a alcançar crescimento, ultrapassou os Estados Unidos como principal destino de investimento estrangeiro, mostraram dados da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) nesta sexta-feira.

À medida que o coronavírus causava estragos na economia mundial, os fluxos globais de IED caíram 38% em 2020, para 846 bilhões de dólares, o nível mais baixo desde 2005, de acordo com a OCDE com sede em Paris.

Isso representa apenas 1% do Produto Interno Bruto (PIB) global, nível não visto desde 1999.

Uma recuperação nas atividades de fusões e aquisições transfronteiriças no final de 2020 até agora, neste ano, pode alimentar uma recuperação do IED em 2021, disse a OCDE.

A China ultrapassou os Estados Unidos no ano passado como principal destino de investimento estrangeiro, enquanto grandes regiões do país eram fechadas devido à pandemia.

Índia e Luxemburgo, onde muitas empresas-fantasmas estão legalmente registradas, seguem como os principais destinos de entrada, informou a OCDE.

(Por Leigh Thomas)