Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.386,05
    -1.406,58 (-2,39%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Investimento em startups brasileiras cresceu 187% no início do ano, diz pesquisa

FILIPE OLIVEIRA
·2 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O investimento de capital de risco no mercado de startups cresceu 187% nos primeiros quatro meses de 2021 em relação ao mesmo período do ano passado, segundo relatório da empresa de inovação Distrito, que mapeia o setor, divulgado nesta segunda (3).

O valor dedicado às novas empresas de tecnologia foi de US$ 2,35 bilhões (cerca de R$ 12,7 bilhões) no período, investido em 207 negócios.

O volume representa 66% dos investimentos mapeados em todo o ano passado, quando o setor já vinha aquecido, apesar da pandemia, segundo o Distrito.

As fintechs concentraram a maior fatia dos investimentos, com US$ 731 milhões (R$ 5,4 bilhões) em 45 operações.

A seguir, vieram as startups do setor imobiliário, com US$ 526 milhões (R$ 2,8 bilhões). O resultado foi obtido com apenas seis negócios, a maior parte destinados à startup Loft, que compra imóveis para revendê-los e foi avaliada em US$ 2,9 bilhões (R$ 15,6 bilhões).

Em terceiro lugar ficou o segmento de varejo, com US$ 507 milhões em 22 investimentos.

O mercado brasileiro também registrou 77 operações de fusões e aquisições de startups nos primeiros quatro meses do ano. Destacaram-se no período transações feitas por empresas como Magazine Luiza e Via, no varejo, e Locaweb e Nuvini, no setor de tecnologia.

Gustavo Gierun, sócio do Distrito, afirma que o avanço do setor tem como um de seus motores a chegada de fundos de investimentos que não costumavam investir no mercado brasileiro.

Apesar do dólar estar valorizado em relação ao real, o que torna investir no Brasil mais barato, Gierun disse considerar que fatores como o amadurecimento do setor, a diversificação dos fundos e do tipo de startups que buscam, bem como o aumento da liquidez no mercado, foram mais importantes para o resultado.

"O fundo de venture capital [capital de risco} busca no Brasil ganhos acima de 10 vezes, 20 vezes o que investiu. A oscilação do dólar ajuda, mas não faz ele tomar a decisão", afirmou em conversa com jornalistas.

Para o futuro, Gierun cita como setores com potencial de crescimento o de saúde, com grandes empresas ampliando áreas de inovações e fundos dedicados exclusivamente ao segmento, e o varejo, que segue em corrida acelerada para sua digitalização.