Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.051,71
    +162,14 (+0,78%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Investimento em publicidade volta a crescer e atinge R$ 69 bilhões em 2021

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Na esteira da retomada da economia em 2021, com o PIB (Produto Interno Bruto) crescendo 4,6% no ano, depois de amargar queda de 3,9% em 2020, a publicidade brasileira também reagiu: avançou 29% no passado, somando investimentos de R$ 69 bilhões, contra queda de 10% no ano anterior.

Os dados pertencem ao levantamento Insider Advertising 2022, feito pelo instituto de pesquisa Kantar Ibope Media, divulgados nesta terça-feira (14). O estudo apresenta quanto foi investido em publicidade na TV aberta, TV por assinatura, internet, rádio, jornais, revistas, cinema e mídia out of home (OOH), que envolve anúncios em elevadores, outdoors e trens de metrô, por exemplo.

"O avanço da vacinação permitiu que as atividades retomassem em boa parte a normalidade", afirma Viviane Vela, diretora de agências e anunciantes da Kantar Ibope Media.

De acordo com o levantamento, os setores que mais investiram foram "serviços ao consumidor" (R$ 4,017 bilhões) e "comércio" (R$ 3,775 bilhões), que juntos representaram pouco mais de 11% do total investido no ano.

"Em 'serviços ao consumidor' estão uma gama imensa de anunciantes, desde os aplicativos de transporte e de entrega de comida, até planos de saúde, passando por marketplaces", diz Viviane.

Entre as categorias de produtos e serviços, que integram os setores, as cinco que receberam maior investimento publicitário no ano passado foram "grandes varejistas" (7% do total), "serviços ao consumidor" (6%), "telefonia e conectividade residencial" (5%), "institucional mercado financeiro" (4%) e "super e hipermercados atacadistas" (3%).

As praças que receberam os maiores investimentos foram São Paulo (R$ 10,743 bilhões), Rio de Janeiro (R$ 4,086 bilhões) e Belo Horizonte (R$ 1,653 bilhão).

A empresa não divulga o investimento por meio publicitário -TVs e jornais, por exemplo. Mas ainda neste mês deve anunciar quais foram os investimentos em internet em um evento promovido pelo IAB Brasil (Interactive Advertising Bureau).

"Os formatos se misturam e transitam entre as telas, mas podemos afirmar que o formato vídeo concentrou 63% da compra de mídia em 2021, considerando TV aberta, TV paga, cinema e vídeos online", afirma Viviane.

Levantamento realizado pelo CENP (Conselho Executivo das Normas-Padrão), que reúne anunciantes, agências de propaganda e veículos de comunicação, apontou que, em 2021, o total investido em publicidade na internet saltou para 33,5% do bolo total, contra 26,75% da pesquisa anterior. O resultado fica atrás apenas da TV aberta, que lidera com 45,4% de participação, ante 51,9% obtidos em 2020.

Viviane afirma que, antes da pandemia, a jornada do consumidor estava mais sedimentada, com um comportamento de consumo mais previsível. "Houve uma reviravolta e a jornada de decisão de compra é cada vez mais complexa", afirma a especialista. "Ele reúne informações de diferentes fontes e interage com marcas em vários pontos de contato", diz ela.

De acordo com o levantamento, 47% dos consumidores afirmaram usar a publicidade como fonte de informação para as compras, 34% seguem as marcas nas redes sociais, 45% usam a internet para planejar as compras, 33% buscam na internet os produtos que veem na TV e 21% são influenciados por comentários publicados online.

No primeiro trimestre deste ano, os investimentos voltaram a crescer: alta de 22%, para R$ 17,6 bilhões, em comparação com o intervalo entre janeiro e março do ano passado, quando uma nova onda de Covid deixou vários estabelecimentos fechados. No período, os setores que mais avançaram em investimentos foram farmacêutico (alta de 31% sobre o primeiro trimestre de 2021), bebidas (27%) e mídia (20%).

"A retomada dos investimentos publicitários é animadora, especialmente porque vemos um novo número de anunciantes chegando ao mercado, boa parte deles sendo de pequenas e médias empresas", diz Viviane. Entre 2019 e 2021, por exemplo, o total de anunciantes cresceu 47%.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos